Censura Não!

em 16 de setembro de 2019

Ola meus amores, tudo bem?!


Acho que é de conhecimento de todos, blogueiros e leitores, sobre a censura da HQ Vingadores - A Cruzada das Crianças na Bienal do Rio deste ano.




E acho também que por algumas resenhas que já fiz por aqui no blog, vocês saibam que eu adoro um livro com temática LGBT.


Pensando nisso, irei ajudar a manifestação contra este ato, acho um absurdo esta censura em especial, com o tanto que já lutamos pela liberdade de expressão, e pelo tanto que já aprendemos nos livros de história!




Portanto, irei agora indicar alguns livros que mais gostei nessa temática e também irei postar um lançamento super legal da Editora Seguinte, que claro, irei querer ler também!!



Me Chame Pelo Seu Nome
André Aciman

Livro que inspirou o filme dirigido por Luca Guadagnino, aclamado nos festivais de Berlim, Toronto, do Rio, no Sundance e um dos principais candidatos ao Oscar de 2018.
A casa onde Elio passa os verões é um verdadeiro paraíso na costa italiana, parada certa de amigos, vizinhos, artistas e intelectuais de todos os lugares. Filho de um importante professor universitário, o jovem está bastante acostumado à rotina de, a cada verão, hospedar por seis semanas na villa da família um novo escritor que, em troca da boa acolhida, ajuda seu pai com correspondências e papeladas. Uma cobiçada residência literária que já atraiu muitos nomes, mas nenhum deles como Oliver.
Elio imediatamente, e sem perceber, se encanta pelo americano de vinte e quatro anos, espontâneo e atraente, que aproveita a temporada para trabalhar em seu manuscrito sobre Heráclito e, sobretudo, desfrutar do verão mediterrâneo. Da antipatia impaciente que parece atravessar o convívio inicial dos dois surge uma paixão que só aumenta à medida que o instável e desconhecido terreno que os separa vai sendo vencido. Uma experiência inesquecível, que os marcará para o resto da vida.
Com rara sensibilidade, André Aciman constrói uma viva e sincera elegia à paixão, em um romance no qual se reconhecem as mais delicadas e brutais emoções da juventude. Uma narrativa magnética, inquieta e profundamente tocante.



Apenas um garoto
Bill Konigsberg

“Para todo mundo que já desejou ser outra pessoa (quem nunca?), Apenas um garoto é uma viagem divertida e cheia de reviravoltas sobre sexualidade, identidade, amizade e amor.” – Alex Sanchez, autor de Rainbow Boys.
Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa.
Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco.
O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.


Adicionar legenda
Ele
Quando Ryan conheceu James
Him # 1
Sarina Bowen
Elle Kennedy

James Canning nunca descobriu como perdeu seu melhor e mais próximo amigo.
Quatro anos atrás, seu tatuado, destemido e impulsivo companheiro desde a infância simplesmente cortou contato.
O maior arrependimento de Ryan Wesley é ter convencido seu amigo extremamente hétero a participar de uma aposta que testou os limites da amizade deles.
Agora, prestes a se enfrentarem nos times de hóquei da faculdade, ele finalmente terá a oportunidade de se desculpar. Mas, só de olhar para o seu antigo crush, Wes percebe que ainda não conseguiu superar sua paixão adolescente.
Jamie esperou bastante tempo pelas respostas sobre o que aconteceu com seu relacionamento com Wes, mas, ao se reencontrarem, surgem ainda mais dúvidas.
Uma noite de sexo pode estragar uma amizade? Essa e outras questões sobre si mesmos vão ter que ser respondidas quando Wesley e Jamie se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.


Agora o novo lançamento da Editora Seguinte:




Vermelho, Branco e Sangue Azul
Casey McQuiston

ISBN-13: 9788555340949
ISBN-10: 8555340942
Ano: 2019 / Páginas: 392
Idioma: português
Editora: Seguinte

O que pode acontecer quando o filho da presidenta dos Estados Unidos se apaixona pelo príncipe da Inglaterra?
Quando sua mãe foi eleita presidenta dos Estados Unidos, Alex Claremont-Diaz se tornou o novo queridinho da mídia norte-americana. Bonito, carismático e com personalidade forte, Alex tem tudo para seguir os passos de seus pais e conquistar uma carreira na política, como tanto deseja.
Mas quando sua família é convidada para o casamento real do príncipe britânico Philip, Alex tem que encarar o seu primeiro desafio diplomático: lidar com Henry, irmão mais novo de Philip, o príncipe mais adorado do mundo, com quem ele é constantemente comparado ― e que ele não suporta.
O encontro entre os dois sai pior do que o esperado, e no dia seguinte todos os jornais do mundo estampam fotos de Alex e Henry caídos em cima do bolo real, insinuando uma briga séria entre os dois.
Para evitar um desastre diplomático, eles passam um fim de semana fingindo ser melhores amigos e não demora para que essa relação evolua para algo que nenhum dos dois poderia imaginar ― e que não tem nenhuma chance de dar certo. Ou tem?



A Editora Seguinte anunciou que publicará o livro, com o título traduzido para Vermelho, Branco e Sangue Azul, em novembro.





Quem quer?


Beijos



11 comentários

  1. Oi, Camila como vai? Realmente é um absurdo todo e qualquer ato de censura. Eu já li esse livro aí que você indicou "Apenas um garoto" e gostei bastante da leitura, os outros eu não li, mas parecem ser ótimos de serem lidos. Abraços!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. adorei o post! com certeza essa questão da censura é absurda! temos que ter liberdade de expressão em tudo, inclusive na temática LGBT

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. Olá...
    Censura não!
    Achei muito bonito de sua parte fazer esse post! Achei ridículo essa censura que houve na bienal e, assim como você, também já li vários livros nessa temática!
    Não li nenhum dos livros que você indicou, mas, alguns deles estão na minha lista de desejados... Já leu Á PRIMEIRA VISTA do David Levithan? É muuuuuito bom!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. É um absurdo ver isso acontecer ainda nos dias de hoje, né? Adorei sua seleção de livros, alguns já conhecia e são muito bons! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mila!
    Também achei um absurdo o ocorrido na bienal!
    Adorei as suas indicações, ainda não li nenhum dos citados, mas tenho muita vontade de conferir Me Chame pelo seu nome.

    Beijos
    Construindo Estante || Instagram

    ResponderExcluir
  6. Eu ia comentar que sou doida para ler Me Chame Pelo Seu Nome e tu me joga uma dessa? GENTE, QUERO LER PRA ONTEM esse lançamento. Parece ter uma vibe daquelas comédias românticas estilo O Diário da Princesa ç.ç
    Sério.
    Vou comprar. Sem comentários hahahah E a capa ficou uma fofura.
    Quanto a censura, achei um absurdo. Querem calar os que pensam diferente deles.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  7. Oi Mila! Foi revoltante esta censura que tentaram colocar nas obras da Bienal, um absurdo. A seleção de livros está ótima, quero muito conferir este novo da Seguinte. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  8. Ah, maravilhoso...
    Aquele episódio foi ridículo, nossa, fico sem palavras. Mas também amei ver os gestos de luta, resistência e apoio.
    Não li nenhum desses, mas estou de olho nesse lançamento da Seguinte.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Achei seu post LINDO. Eu já li Me Chame Pelo Seu Nome e adorei. Suas indicações são ótimas e vou anotar algumas aqui haha.

    Beijo
    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  10. Oi Camila, eu fiquei chocada com essa atitude de censura da prefeitura. Sinceramente, com tanta coisa para se preocupar, isso era exatamente o que não deveriam ter feito! Eles tiveram a capacidade de excluir essa parte da população, como se não fossem nada, como se não pagassem impostos, não trabalhassem e não tivessem contas para arcar todo mês. Gostei bastante da sua ação, e gostei mais ainda da atitude da Bienal do Livro, que se manteve firme até o fim e teve todo o apoio da população. Acabou saindo um tiro no pé para eles, que gerou risadas pela situação cômica, mas por trás disso, gerou também medo, pois se começa assim, quer dizer que estamos vivendo tempos sombrios, pelos quais não desejava jamais passar. =/
    Bjks!

    Mundinho da Hanna | Instagram

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!