Resenha Vox | Christina Dalcher

em 6 de dezembro de 2018

Vox
Vox # 1
Christina Dalcher

ISBN-13: 9788580418897
ISBN-10: 8580418895
Ano: 2018 / Páginas: 320
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Uma distopia atual, próxima dos dias de hoje, sobre empoderamento e luta feminina.
O SILÊNCIO PODE SER ENSURDECEDOR #100PALAVRAS
O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
Esse é só o começo...
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
...mas não é o fim.
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.


Resenha

"Se alguém me dissesse que um dia eu seria capaz de derrubar o presidente, o Movimento Puro e aquele merdinha incompetente do Morgan LeBron na mesma semana, eu não acreditaria. Mas também não questionaria. Não diria nada.
Virei uma mulher de poucas palavras."


Este livro não me chamou tanto a atenção no seu lançamento, o interesse veio depois, não curto muito quando o livro ganha fama e parece que sou obrigada a ler porque todos a minha volta falam dele. Depois de uns meses peguei o livro para ler, despretensiosamente, e eis que o livro me ganha em suas primeiras frases, a narrativa te induz a curiosidade e uma certa empatia pela personagem principal e isso é muito bom.


Os capítulos são curtos, o que faz a leitura fluir rapidamente, no inicio encontramos Jean e a família se adaptando ao novo sistema, de diferentes formas, ela tem quatro filhos, uma menina e três meninos, enquanto a filha e ela lutam para conter suas palavras, os dois filhos mais novos instigam a menina mais nova a falar, fazendo perguntas, mesmo sabendo que aquelas palavras poderiam machucar.


Acho que o pior do livro são as situações que as mulheres são forçadas a suportar, e o pior é perceber que mesmo que não seja por mal, sua própria família está contra você, no caso de Jean, são os filhos, adolescentes naquela época que acham que sabem tudo, que tomam por exemplo o novo aprendizado da escola, onde ensinam a menosprezar as mulheres, ensinam que as mulheres precisam ser contidas e até castigadas, são tantas reflexões que Vox nos trás que não acaba mais, porque quando você pensa que não há nada pior, a autora nos mostra que pode ter sim, coisas muito piores.




"Nos primeiros meses eu dava uma olhadinha em algum livro de vez em quando, rabiscava uma pequena anotação na parte de trás de uma caixa de cereal ou numa embalagem de ovo, escrevia um bilhete de amor com batom para Patrick no espelho do nosso banheiro. Tinha motivos muito, muito bons para só escrever dentro de casa (Não pense nelas, Jean; não pense nas mulheres que você viu no supermercado). Até que, numa manhã, Sonia chegou, viu a mensagem em batom que ela não sabia ler e gritou:
– Letras! Ruim!
A partir daí, mantive a comunicação dentro de mim, apenas escrevendo algumas palavras para Patrick à noite, depois de as crianças estarem na cama, sempre me lembrando de queimar os pedaços de papel numa lata depois. Mas, do jeito que Steven está agora, nem me arrisco a isso."


É simplesmente degradante toda essa situação, chega a dar uma revolta que não cabe dentro do nosso próprio peito, na verdade são poucos os sinônimos que me vem a mente ao ler certas situações, em como tudo caminha para o caos mental e que para aqueles homens tudo ainda é suportável.





Claro que tudo muda quando os homens do poder precisam da Dra. Jean McClellan, por dentro ela está a mil por hora, pensamentos do que pode ser feito, de como agir e uma pequena luz no fim do túnel se acende, mostrando que ainda pode ter esperanças de que as coisas mudem.


"Mas estou pouco me lixando para o presidente, seu irmão ou, na verdade, qualquer homem.
– E então, Dra. McClellan? – pergunta o reverendo Carl.
Quero dizer que não."


O livro foi muito bem escrito, muito bem estruturado e com ótimos personagens, a leitura flui rapidamente evitando que fique massante, embora tenhamos poucos diálogos por condições impostas as pobres mulheres no início da leitura, no geral eu gostei muito de Vox, me trouxe reflexões e um pouco de nojo pelos homens retratados ali, embora nem todos sejam iguais, tem sempre aquele que acha que se a maioria pensa daquele jeito, então, eles estão certos. Enfim, foi um ótimo livro, porém difícil também, mais não de uma maneira ruim.



O livro é forte, o livro é pungente, ele não é real, mas poderia ser!


Beijos




9 comentários

  1. Já comigo costuma ser o contrário, se geral tá falando me chama atenção fácil. Mas com esse já gostei desde que vi falando. O jeito da trama e como é me deixaram curiosa. E que história heim! Parece ser forte, tem bastante coisa legal e uma trama que no minimo serve de alerta viu. As injustiças com as mulheres, isso da família e como as coisas são ensinadas. Mas nossa, tem muito ali que a gente só quer imaginar e nunca ver, apesar de coisas já acontecerem todos os dias. Achei bem interessante esse livro e gostaria de ler.

    ResponderExcluir
  2. Essa sua frase final tem um certo impacto.
    Também não curto livros que estão sendo muito falados, mas assim que li a sinopse desse livro, soube que necessitava.
    E é muito bom saber que os capítulos são curtos e que foi bem estruturado.
    Ainda não consigo imaginar como funciona essa questão das palavras, mas desejo ler logo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Tem resenha desse livro em todo lugar hahaha
    Realmente, é o livro do momento. Arqueiro acertou mais uma vez.
    É um livro atual e necessário, e o trama parece ser sensacional.
    Adorei a resenha, beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá Mila!
    Não goto muito também dessa pressão para ler o livros do momento mas confesso que Vox está na minha lista há algum tempo. Esses livros trazem uma mensagem muito explícita sobre o que a sociedade pode se tornar, algo ao mesmo tempo fascinante e assustador que nos faz refletir bastante. Aquela famosa frase: "Aqueles que não aprendem com a História estão fadados a repeti-la" se aplica perfeitamente a esse contexto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mila!!
    Esse livro desde o seu lançamento chamou minha atenção e desde então só tenho lido resenhas maravilhosas com relação a essa história. Eu, particularmente não imagino um mundo onde as mulheres só poderiam falar 100 palavras por dia e que as meninas não teriam a oportunidade de saber ler e escrever. Enfim é um livro que estou bem curiosa para adquirir.
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Mila!
    Sou como você, não gosto de ler os livros quando estão 'na crista da onda', porque por vezes nos decepcionamos.
    Bom ver que no livros as mulheres conseguem empoderamento e se sobressaem.
    Gosto de livros de fantasias bem escrito, mesmo que tenha um pouco de drama.
    Um ótimo final de semana!
    “Bendita seja a data que une a todo mundo numa conspiração de amor.” (Hamilton Wright Mabi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DEZEMBRO - 7 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  7. Eu também não sou muito fã de livros que viram "modinha", mas esse livro em questão ele me chamou a atenção desde o inicio exatamente por ser algo que pode vir a acontecer algum dia e isso assusta.
    Adorei a resenha, muito bem escrita.

    Beijos da Lua!
    Cantinho da Lu

    ResponderExcluir
  8. Olá, tenho interesse pela obra desde o seu lançamento, uma vez que adoro uma distopia. E é nótorio que a autora faz jus ao gênero, mostrando que o seu universo criado poderia muito bem tornar-se real. A leitura é ao mesmo tempo satisfatória e dolorosa, uma fez que o que é imposto às mulheres é inumano e surreal. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oi Mila.
    Quero muito ler esse livro.
    A premissa é bem interessante e querendo ou não retrata um pouco a nossa sociedade. Infelizmente tem homens que se enquadram no perfil dos personagens da autora e muitas mulheres passam por essa situação de subordinação e dependendo do seu comportamento, são castigadas, se o homem achar que elas merecem isso.
    Espero ler o livro logo.
    Beijos

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!