Resenha: Zika - Debora Diniz

em 30 de setembro de 2016
Zika: Do sertão nordestino à ameaça global

Autor(a): Debora Diniz
Págs: 192
Editora: Civilização Brasileira


A primeira biografia da epidemia de Zika no Brasil.
Nordeste do Brasil, dezembro de 2014. Multidões chegam aos consultórios médicos descrevendo sintomas de uma doença misteriosa: manchas vermelhas pelo corpo, coceira intensa, conjuntivite e febre baixa. Cientistas e médicos correm contra o tempo para desvendar o mistério. Tempos depois, mulheres que relatavam ter tido dengue fraca durante a gravidez recebem um aterrorizante diagnóstico no pré-natal: manchas brancas na cabeça e interrupção no desenvolvimento do sistema nervoso central dos bebês. Filas de recém-nascidos com cabeça miúda lotam as maternidades de cinco estados brasileiros.

Em abril de 2015 o improvável vírus zika é detectado como o responsável pela doença misteriosa no Brasil. Apenas sete meses depois fica comprovada sua relação com a microcefalia e outras síndromes neurológicas – em recém-nascidos e adultos. Em fevereiro de 2016, a Organização Mundial de Saúde decreta situação de emergência global.

Entre fevereiro e junho de 2016, Debora Diniz passou temporadas no nordeste brasileiro, convivendo com mulheres comuns, médicos e cientistas; no exterior, de dezembro de 2015 a abril de 2016, participou de grupos de trabalho da Organização Pan-Americana da Saúde. A partir desse ponto de vista original e de rigoroso levantamento bibliográfico, a autora conta a história da epidemia brasileira que ameaça o mundo. Muito além de informações sobre prevenção, transmissão, riscos do zika para mulheres grávidas, síndrome de Guillain-Barré e outras complicações, a antropóloga revela histórias até agora inéditas na imprensa.

Resenha


Este livro é o resultado de uma pesquisa sobre o vírus da Zika que inclui 31 entrevistas e monitoramento de mais de 5 mil reportagens.

O Zika é um vírus transmitido pelo Aedes Aegypti e identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. O vírus Zika recebeu a mesma denominação do local de origem de sua identificação em 1947, após detecção em macacos sentinelas para monitoramento da febre amarela, na floresta Zika, em Uganda.

Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Formas graves e atípicas são raras, mas quando ocorrem podem, excepcionalmente, evoluir para óbito, como identificado no mês de novembro de 2015, pela primeira vez na história.




No livro ela conta experiência com os médicos diretamente envolvidos no tratamento das mulheres gestantes que contraíram o vírus, sobre a ligação entre a microcefalia e o contágio, falta de conhecimento devido a ser uma doença nova entre outros fatos.

Debora ressalta também a história de nordestinos anônimos que, por estarem em lugares sem saneamento básico, com alta proliferação do mosquito transmissor e com atendimento precário em saúde, foram vítimas do vírus e sequer entraram para as estatísticas oficiais.




Um estudo muito útil para nossos dias atuais, ainda mais com a chegada do Verão, em que se proliferam os mosquitos e a transmissão das doenças: Dengue, Chikungunya e Zika.

Nunca é demais ressaltar a importância de evitarmos os focos do mosquito, se todos fizermos a nossa parte, que é o simples ato de limpar o quintal, os casos tendem a diminuir:



Até a próxima,



12 comentários

  1. Acho interessante um livro reunindo relatos e pesquisas sobre o Zika, que esta amedrontando a sociedade ultimamente, acho importante falar sobre ele em livros, ainda mais com o verão, onde a febre do vírus aumenta, devemos todos nos prevenir.

    ResponderExcluir
  2. Não acho que leria esse livro, mas ele deve ter uns estudos interessasntes...
    Só de ver esse nome já me dá uma raiva...porque peguei isso. E credo, que negócio ruim! Mas ainda dei sorte por ser leve. Só que caramba, essa coisa de inchar e as dores de cabeça são horríveis :S
    Ao menos pra entender melhor as outras coisas da doença ele deve ser bom. Se você gostar ou quiser ver mais desses casos.

    ResponderExcluir
  3. Nanda!
    Realmente aqui no nordeste a epidemia só aumenta e causa muitos problemas de saúde, principalmente nos idosos e permanecem por meses.
    É uma pesquisa muito bem feita e acredito que devemos ler.
    “A sabedoria só nos chega quando não precisamos mais dela.” (Che Guevara)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Acredita que eu tive suspeita? Mas por sorte era só uma crise alergica e melhorou rapidinho. Gostei de saber do lançamento desse livro, acho que é uma leita bastante importante, vou procurar saber os preços agora mesmo.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Foram tempos sombrios, ainda mais por levar pânico a população que é geralmente o que acontece quando se fala em epidemia. Não gosto de biologia, não é um gênero que eu procuro, mas gosto muito de coisas que falem sobre temas atuais e, atualmente, informação é tudo.

    ResponderExcluir
  6. Informação nunca é demais e sobre esse assunto que afetou tantas pessoas ainda mais. Estar em um país onde nasce uma epidemia que afeta até recém nascidos e onde Organização Mundial de Saúde decreta situação de emergência global é bem surreal e prevenção é o mais importante. O livro parece muito interessante e importante ;)

    ResponderExcluir
  7. Mila,
    adorei o papel da conscientização do blog.
    as pesquisas sobre o zika ainda tá muito complicado, não tem dados o suficiente, mas vou dizer é ruim(experiência própria)!!! mas pior é o Chikungunya amigos meus tiveram e é triste.
    como diz minha irmã tudo graças a um mundo globalizado, mas é uma analise importante para quem estuda essa área, seja as próprias doenças ou a saúde coletiva
    pior é saber que em alguns cantos os médicos não podem fazer os exames para constatar eles tratam baseado nos sintomas, mas sem o exame para confirmar não entram nas estatisticas.

    ResponderExcluir
  8. Eu moro no nordeste e realmente as coisas por aqui ficaram bem feias. Eu também trabalho em um hospital, e mesmo sendo da área administrativa sempre ouvimos relatos e casos sobre os pacientes e é realmente muito triste, principalmente quando se trata de gestantes.
    Livros como esse, que ajuda a conscientizar as pessoas e faze-las entender o que até no momento se sabe sobre esse surto é de extrema importância, achei muito legal da sua parte resenhar ele.

    http://janeladememorias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Acredito no poder da informação e livros deste gênero sempre são ótimos por conseguir falar com leigos e não somente profissionais da área da saúde. Parabéns ao blog pelo espaço para informação.

    ResponderExcluir
  10. Que legal!
    Não conhecia esse livro, mas fiquei muito interessada, pois essa doença foi tão terrível,, e ainda tenho muitas dúvidas sobre ela!
    Dica anotada, vou procurar para comprar sim!
    bjão

    ResponderExcluir
  11. Oi Nanda, que livro mais interessante que você trouxe pra nós hein?! Quando um assunto é de importancia geral, todos ficamos preocupados e querendo uma solução.
    Que bom que existe esse livro, que vem explicar um pouco dessa doença. É uma aposta e tanto de leitura, imagino que valha muita a pena.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Esse certamente não é o tipo de livro que tenho costume de ler, mas mesmo assim chamou a minha atenção pelo tema. Acho que seria uma boa saber mais sobre a doença, com todo o conteúdo encontrado no livro.

    Abraços :)

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!