Resenha Apenas Um Garoto - Bill Konigsberg

em 5 de setembro de 2016


Apenas Um Garoto
Bill Konigsberg

ISBN-13: 9788580415896
ISBN-10: 8580415896
Ano: 2016 / Páginas: 256
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa.
Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco.
O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.


Resenha


Ler este livro foi uma experiência única, solicitei justamente pelo tema e a oportunidade de conhecer melhor esse universo gay.

Em Apenas um Garoto, conhecemos Rafe, que sempre possuiu uma opinião bem formada em ser gay, nunca teve dúvidas e sempre foi muito seguro de si.

Rafe saiu do armário aos 13 anos, ele queria mais, achou que se todos soubessem que ele era gay, ele arranjaria um namorado, Rafe quer novas experiências, porém, no momento em que se assumiu gay, vieram os rótulos, os olhares estranhos de outros colegas e muitos questionamentos internos. Rafe nunca sofreu bullying abertamente, mas ele não se sentia aceito.



Começar de novo é algo que Rafe quer, uma nova escola, novas experiências, novas amizades, Rafe sente falta de ser um adolescente normal, ter amigos sem que fiquem com medo de levar uma cantada, o único problema disso tudo é que para isso, ele teria que omitir uma parte de si.

"Deitei na cama de Bryce, os olhos bem abertos, na noite do jogo de futebol. Ben dormia tranquilamente do outro lado do quarto. Pensei na minha quase briga com Zack. Desde então algo não parecia certo. Ben e eu tínhamos passado tempo juntos e conversado, como de costume. Nada havia mudado entre nós. Mas parecia que uma parte de mim desaparecera na briga do vestiário.Quem era eu?  Como poderia defender os homossexuais e, ao mesmo tempo, omitir minha orientação sexual?"

Tudo está bem na nova escola, Rafe fez novos amigos, entrou para o time de futebol, naquela escola ninguém julga Rafe pelo que é, ele é apenas um adolescente curtindo o melhor da vida, mas as coisas começam a complicar quando Rafe sente estar se apaixonando por um de seus amigos.


"Enquanto eu ouvia seu monólogo sobre o pai e, em seguida, sobre a mãe e sobre como ela pintava, percebi: aqui está uma pessoa incrível, e eu nunca teria imaginado isso com base no seu exterior. Clay era sensível e interessante e, de alguma forma, ficava mais bonito a cada segundo. E a coisa do dedo na minha perna era sua única forma de me mostrar que ele estava interessado. Em mim! Não era assim que eu esperava arrumar um namorado, mas vai funcionar, pensei."



Melhor do que sair do armário ou não, seria não dar satisfação a ninguém, viver a vida plenamente sem ter que responder a sociedade quem somos. As pessoas que tirem suas conclusões e se estiver curioso que pergunte, ou não, deixe para lá. Já tive em minha vida melhores amigos que são gays, mas eles não precisaram falar comigo o que eram, ou para todos no nosso meio de convivência, as pessoas notam, cabe a cada um aceitar ou não, eu aceitei meus amigos, não existia rótulos, existia carinho e amizade e é assim que tem que ser. Seja você, sendo hétero, gay ou lésbica, quem gosta mesmo de você, vai fazer parte de sua vida, porque é a sua essência que importa.

A capa condiz com o que encontramos no livro, a diagramação é simples e confortável, não encontrei erros. Narrativa flui rapidamente, é gostoso de ler, o autor conquista em sua narrativa. O livro é dividido em partes, o autor aborda o momento presente de Rafe e as experiências de Rafe ao sair do armário e o leitor percebe visivelmente a evolução do personagem como pessoa. Em nenhum momento foi uma leitura cansativa, ao contrário, foi instrutivo! Recomendo muito este livro.


Beijos





20 comentários

  1. Oi, Mila!
    Esse é um livro que quero muito ler. Achei a premissa bem interessante.
    Eu também tenho vários amigos gays e, apesar de alguns não terem chegado e falado abertamente para mim, eu percebi, mas não deixa de ser menos amigos por conta disso.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio de aniversário Balaio de Babados e Postando Trechos
    Participe da promoção 1 Ano de Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Mila !
    Esse é um tema que precisa mesmo ser lido, ate pra gente conhecer mais. Ainda é um tabu na sociedade, pelo menos eu acho.
    Eu só fiquei um pouco assustada pela idade em que ele "assumiu" ser homossexual,, por assim dizer. 13 anos é tao novo ne ? Ate para os heterossexuais, é uma coisa meio infantil pra mim.
    Mas enfim, já que a história funciona assim, deve ser aceita. Eu também tenho amigos assim, e encarava como uma normalidade, mesmo não aceitando. Cada um aceita o que quer, mas superior a isso, tem o respeito. E eu respeito, independente da escolha sexual.
    Obrigada pela resenha ! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Mila, esse livro parece ser realmente muito instrutivo e importante, afinal temos que familiarizar as pessoas com esse tema, pois eu acho que quanto mais informação tivermos, quanto mais comum o tema ficar, maior será o repeito pela escolha alheia. ;)

    ResponderExcluir
  4. Fiquei com vontade de ler! Sabe gostei muito do que você disse sobre a questão da "saída do armário" as pessoas devem exercer a liberdade de ser e serem respeitadas sendo o que são! Infelizmente o Brasil é um país nocivo a tudo aquilo que foge do hétero, branco de classe média... Nem todos sabem respeitar a liberdade de ser do outro. É uma pena que nem todos sejam como você que abraça e não sente necessidade existencial de colocar rótulos nas pessoas, eu também tenho amigos das mais diversas "tribos" e até de "tribo" nenhuma e os amo! Adorei sua resenha e as opiniões impressas nela. Por mais pessoas como você no mundo!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Não costumo ler livros desse tipo, mas achei esse bem diferente por ser o oposto dos outros, neste, o menino já se assumiu e quer não quer os rótulos e olhares estranhos e tal, achei bacana!

    ResponderExcluir
  6. Desde o lançamento que estou com vontade de ler esse livro. Já li alguns com essa temática e eles costumam ser sempre muito bons. Sua resenha me deixou ainda mais curiosa, quero muito saber como que ficou a vida do Rafe na escola nova.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  7. Olá...
    Tenho um amigo que diz maravilhas a respeito desse livro... Já me indicou diversas vezes rsrs... Gostei de saber que o autor aborda a evolução do personagem, pois, assim permite que o leitor se envolva mais com a história.
    Acho que esse livro é uma boa forma de conscientizar as pessoas que ainda tem esse preconceito bobo com os homossexuais, logo, anotei a dica!
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já li algumas outras resenhas sobre esse livro e de fato ele não deixa a desejar. Imagino que deva trazer muitas reflexões, e eu simplesmente amo livros que me fazem pensar. Tem uma proposta diferente, e acredito que se tiver sido bem desenvolvida, possa ser uma leitura muito boa mesmo. A capa é a coisinha mais linda, amei demais ela principalmente por essa cor laranja intensa. A sua resenha por mais que seja curta, deixou com vontade conhecer a obra.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu estava mesmo procurando um livro assim mais leve!

    http://themikulak.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi! O preconceito e agressões não nos levam a nada, não é? O respeito é a base e tudo seguirá como deve ser se exercemos-o. O livro é interessante, mas não curto livros que se desenrolam na adolescência, acho uma fase complicada demais e muito intensa. Eu escolho sempre evitar as leituras dessa época da vida. É, essa fase não foi uma das melhores para mim.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Mila!
    É inadmissível em pleno século XXI ainda existir preconceito, seja de que tipo for.
    O que gostei mais em todo enredo é o amadurecimento do protagonista, dele ser bem definido, embora estar cansado dos rótulos.
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de SETEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  12. Deve ser uma história bem curiosa, amei ver sua indicação e fiquei morrendo de vontade de saber mais..

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  13. O enredo desse livro é muito interessante amiga,eu fiquei com muita vontade de ler sim.
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/2016/09/lancamentos-setembro-editora-novo.html

    ResponderExcluir
  14. Concordo quando diz que é a nossa essência que importa, e não devemos nos importar com os rótulos que a sociedade nos impõe. Minha melhor amiga é lesbica, e eu a conheço mesmo antes de ela se descobrir homossexual.
    Gostei da proposta do livro, porque não foca no drama gay, de não ser aceito pelos pais ou criticado pela sociedade. So pelo fato de ser diferente, já chamou a minha atenção.
    Fiquei curiosa e quero ler o livro.

    ResponderExcluir
  15. Não são muitos livro sobre com esta temática lançados no Brasil. Acho legal acompanhar o crescimento do personagem. Concordo plenamente sobre o que disse sobre sair do armário. Não deveria existir um armário! Pelos quotes já gostei da narrativa do livro. Quero muito ler.

    ResponderExcluir
  16. Concordo plenamente com tudo o que vc disse. É incrível como alguns se incomodam tanto com o modo de vida de outros. O que vale não é o caráter?

    ResponderExcluir
  17. Adoro ler livros com esse tema, é sempre uma experiência legal. E já me interessei por ele pela sinopse. Achei ele bem jovem pra assumir isso, normalmente quando leio algo do tipo é bem mais tarde que isso acontece. Deve ser bacana essa história e parece ter muitos dilemas no meio. Bem do tipo que gosto.
    E ahh, seria maravilhoso viver num mundo onde a gente não tem que dar satisfação de nada pra ninguém mesmo...

    ResponderExcluir
  18. o que eu achei mais interessante é o fato dele ser o inverso dos da maioria. e tratar não só da questão do preconceito, mas também da pessoa não querer ser um rótulo: a pessoa assim e a pessoa assada,
    esquece que somos mais do que só uma opção...
    e vamos ser sinceras: o MUNDO não aceita muito bem os diferentes, as vezes a gente diz: aqui no brasil as pessoas não aceitam as pessoas... esquecem que a poucos meses entraram no uma boate nos EUA e mataram um monte de gente
    e quando "aceitam" é colocando rótulos

    ResponderExcluir
  19. Desde que lançaram esse livro eu fiquei curiosa por se tratar de homossexualidade, e depois dessa resenha fiquei mais ansiosa ainda, até porque normalmente leio livros onde o personagem ainda está em dúvida quanto sua sexualidade, nesse caso o protagonista já sabe o que quer e apenas quer ser aceito. Tenha certeza que o livro passara uma boa mensagem.

    ResponderExcluir
  20. Gosto muito de livros polêmicos, pois sempre aprendemos mais, valorizamos mais as pessoas, e até vemos como muitas sem perceber somos preconceituosos. E este livro parece ser reflexivo assim!
    Estou com muita vontade de lê-lo!
    Só não curti muito a capa kkkkk
    bjos

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!