Resenha: Os afogados e os sobreviventes - Primo Levi

em 29 de maio de 2016



Os afogados e os sobreviventes: Os delitos, os castigos, as penas
Autor: Primo Levi
Título Original: I sommersi e i salvati
Tradutor: Luiz Sérgio Henriques
Gênero: Ensaio/ Teoria literária
Páginas: 168
Editora: Paz e Terra

Primo Levi retoma sua reflexão sobre o campo de extermínio nazista 40 anos depois de ter escrito o primeiro livro sobre o Holocausto.

O Holocausto, as deportações, os trens, as câmaras de gás e seis milhões de judeus realmente existiram. Faz pouco mais de meio século. Não é possível que isso se repita, nem mesmo sob diferentes roupagens, interesses e alvos. Este é o ponto principal do que este livro tem a dizer. Os afogados e os sobreviventes traz a reflexão de Primo Levi sobre o dia a dia de Auschwitz, a disciplina cega dos SS, os milhões que tiveram seu futuro negado pelo simples fato de nasceram judeus. O autor italiano revisita aqui sua primeira obra e, com maturidade crítica, busca respostas para perguntas que durante anos martelaram em entrevistas ou no senso comum: por que vocês não fugiram? Por que não se rebelaram? Um registro fundamental para que as novas gerações conheçam e entendam o que foi o holocausto, e com isso nunca permitirem que história se repita.

Resenha

Neste relançamento da editora Paz e Terra, pertencente ao Grupo Editorial Record, nos traz um relato comovente do autor Primo Levi, um judeu italiano que presenciou de perto os horrores dos campos de concentração, claro que lemos e leremos vários livros com histórias semelhantes, mas cada sobrevivente tem a sua visão e cada uma delas merece ser contada e lida, principalmente nos tempos obscuros em que vivemos, onde a extrema direita novamente parece ter alguma voz ativa pelo mundo.

É uma leitura densa, porém muito interessante e importante, para que não seja repetida a história, e olha, não acredito, só lermos sobre a Coréia do Norte que já repensamos o assunto, em pleno século XXI ainda existem campos de concentração com as mesmas ou piores barbaridades que ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial.



“Em nenhum outro tempo e lugar se assistiu a um fenômeno tão imprevisto e tão complexo: jamais tantas vidas humanas foram eliminadas num tempo tão breve, e com uma tão lúcida combinação de engenho tecnológico, de fanatismo e de crueldade” 


O autor é conhecido desde o lançamento do livro É isto um homem?, um livro de memórias onde conta sua experiência nos campos de extermínio nazistas. Como ele mesmo diz no livro, há dois tipos de sobreviventes, os que se calam e os que conseguem falar sobre o que ocorreu, Levi foi um deles, falecido em 1987, nunca se calou.

Sua voz foi a primeira a contar sobre o holocausto, dois anos depois do fim da guerra.

Neste livro, o autor revisita sua primeira obra, tentando responder várias das perguntas dos leitores e lacunas deixadas na obra, e de tantas entrevistas mundo afora que questionavam sobre a falta de rebeldia dos judeus e do por que de não terem fugido, e a culpa realmente foi só dos nazistas?

O autor quis deixar claro que o holocausto existiu e seis milhões de vidas foram ceifadas justamente por terem nascido judias, e queria que o mundo soubesse e nunca esquecesse.

Considero esse tipo de leitura muito importante, vozes que nunca devem ser caladas, e a juventude tem mesmo de ser conscientizada de uma parte da história vergonhosa que não devemos repetir.

Espero que tenham gostado, até a próxima



13 comentários

  1. Histórias de sobreviventes sempre me chamam muita a atenção, e nunca são iguais, pois cada um estava de um jeito, cada um encarou de uma forma... então é divertido comparar um ao outro, torna o entendimento mais rico

    Ainda não aprendi sobre o Holocausto, mas é um tema muito explorado nos livros, também acho muito importante saber mais sobre certos acontecimentos pela voz e pelas dúvidas de quem acompanhou de perto, achei muito boa a ação dele de não se calar, esta certíssimo

    ResponderExcluir
  2. Gostei dessa sinopse dele. Esse é um dos momentos mais negros da humanidade e é difícil conseguir retratar todo o horror desses tempos. Não dá pra imaginar. Só vendo relatos como esses, histórias, visões para ter o mínimo de ideia do que foi. É um livro bem interessante, gostaria de ler.

    ResponderExcluir
  3. Ao mesmo que tempo que é um assunto triste de ler é também necessário. Esse episodio foi um completo horror pra nossa humanidade e só causa repulsa. Acho bom que as pessoas escrevam sobre esse assunto pra nos lembrar que algo cruel e que não deve ser repetido.
    Imagino que seja mesmo um livro denso, mas que traz muito conhecimento, então é uma leitura importante!

    ResponderExcluir
  4. Mesmo esse livro tendo uma leitura densa, me despertou interesse de leitura, pelo fato de aborda um assunto que conheço pouco, mas que tenho muita vontade de conhecer mais sobre o tema, e acho que esse livro e uma grande oportunidade, a premissa e muito bacana, e por isso já vou incluir o livro na minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  5. Admito que ainda não li nada sobre holocausto e os horrores nazistas ,mas só de pensar naquela época e pelo pouco que sei sobre o assunto fico com o coração apertado... Assim como você, também considero essa leitura mto importante,uma leitura que agrega conhecimento e nos leva a muitas reflexões.

    www.emcadapágina.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Nanda!
    Gostei bastante do livro! Acho importantíssimo todas as ponderações que você fez, com certeza é uma obra que deve ser lida e analisada, e principalmente não devemos nunca esquecer e como você disse a juventude deve se conscientizar para não repetirmos os mesmo erros.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Sou loooouca para ler esse livro!
    Gosto muito de ler sobre o holocausto, acho que todas as pessoas deveriam ler mais sobre, tanto para evitar novos acontecimentos parecidos, como para entender a gravidade do que aconteceu.
    Mas confesso que é difícil fazer essas leituras, sempre nos deixam tão triste.
    Ainda lerei este!
    bjss

    ResponderExcluir
  8. Olá, Nanda.
    Não conhecia esse livro ainda e já me interessei por ele. Gosto muito de livros que se passam durante a Segunda Guerra, então acho que vou gostar de ler os relatos de alguém que vivenciou tudo aquilo. É um período tão difícil da história da humanidade que não pode ser esquecido para que não se repita.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Oi.
    Achei bem interessante a ideia do autor, gosto bastante de livros que falam sobre guerras, e contam relatos históricos de tempos tão macabros, a premissa é interessante e estou bem curiosa para conferir, tenho certeza que irei amar.
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro, mas já quero lê-lo. Na minha opinião, saber mais sobre as histórias do passado é importantíssimo, pois assim não repetimos os mesmos erros. Já vi alguns relatos de sobreviventes do holocausto e era realmente muito triste a situação em que eles viviam, eram tempos sombrios aqueles.

    ResponderExcluir
  11. Olha, esse parece ser um livro ótimo, realmente a leitura deve ser bem densa pois não se trata de um tema fácil. Deve ser muito triste também, pois retrata a crueldade de como os judeus foram mortos.

    ResponderExcluir
  12. Gostei muita da premissa do livro, vários questionamentos, principalmente sobre a Segunda Guerra Mundial, mas creio que é uma leitura bem difícil, pesada e com uma narrativa bem lenta, não sei se me arriscaria.

    ResponderExcluir
  13. É curioso como esse tipo de leitura funciona diferente para as pessoas. Eu não curto histórias assim pq é uma leitura pesada. É o relato de um sobrevivente às piores atrocidades já cometidas de ser humano para ser humano. A história tem uma carga pesada.

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!