Resenha A Máquina de caminhar

em 26 de maio de 2016

A Máquina de caminhar
Cristovão Tezza

ISBN-13: 9788501104694
ISBN-10: 8501104698
Ano: 2016 / Páginas: 192
Idioma: português
Editora: Record

Livro inédito e ilustrado do autor de O filho eterno
Por mais de seis anos, Cristovão Tezza assinou uma coluna de crônicas no jornal paranaense Gazeta do Povo, revelando a seus leitores uma nova faceta, a de observador fino e bem-humorado do cotidiano. Segundo livro saído da contribuição desse cronista tardio às páginas do jornal, A máquina de caminhar reúne 64 crônicas, selecionadas por Christian Schwartz e ilustradas por Benett, que comprovam a maestria do autor em extrair do circunstancial e do provisório pequenas pérolas literárias. Completa esta coletânea um saboroso ensaio sobre a crônica, com a marca do humor, em que Tezza faz uma brilhante análise de dois exemplos da pena de nosso maior prosador, Machado de Assis. A partir deles, procura definir as marcas deste gênero brasileiríssimo ao qual se dedicou de maneira quase acidental e de que este livro é uma bela amostra.


Resenha:


Cristovão Tezza é um autor que ganhou minha admiração, A Máquina de Caminhar é um livro de crônicas, um estilo de livro que não estou acostumada a ler, mas eis que ler este livro foi uma grata surpresa, não só adorei as crônicas como li muito rápido, ao ponto de não querer largar o livro e quando isso acontece é muito bom.

A máquina de Caminhar reúne 64 crônicas, que abordam assuntos como política, vida social, futebol, viagens e vários outros, o autor escreve muito bem, sua narrativa é cativante, simples e fluida. Eu simplesmente Adorei!

Além das crônicas, também encontramos algumas ilustrações, que são a cara do livro, eu adorei e por isso mesmo, separei alguns quotes dentre vários que selecionei, segue abaixo.

"Por alguma razão que me escapa, Curitiba é uma cidade propícia a sociedades secretas. Bastaria citar o Instituto Neo-Pitagórico e a Ordem Rosacruz com seu incrível Museu Egípcio, mas há também a clássica Maçonaria (descobri perto de casa uma pequena praça triangular que homenageia os maçons) e uma Sociedade dos Templários - e recebi convite até de uma certa Ordem dos Gregários. Infelizmente, apesar do meu jeito extrovertido, inclinado a uma boa conversa, pelas vicissitudes da vida acabei me tornando um antissocial clandestino, aquele que disfarça bem o prazer de ficar sozinho, e nunca tive a felicidade de frequentar esses clubes iniciáticos."

"A piada é velha: a internet veio para resolver problemas que antes não existiam - mas, de fato, fico me perguntando como consegui sobreviver mais de quarenta anos sem computador nem internet. Resisto entretanto ao saudosismo bucólico, dos velhos tempos em que, para pagar uma conta ou trocar um cheque, pegava-se uma pesada ficha de bronze e aguardava-se o chamado em altos brados."



"Nunca fui um leitor fiel de ficção científica, mas tive um ponto de partida respeitável, que foram os livros de Júlio Verne, cuja obra devorei com devoção. Estava ali a antevisão tecnológica - submarinos, aviões e viagens à Lua, tudo em pleno século XIX -, mas não o elemento fantástico. Júlio Verne era, de fato, um autor iluminista, que escrevia cada linha com o compasso da realidade e da razão."

"Não tenho mais minhas As Crônicas Marcianas - emprestei a alguém, que, é claro, não me devolveu; agora devem estar circulando pelo espaço sideral, espero que passando de mão em mão, capa suada, orelhas de burro, anotações a lápis nas margens. Mas vou contar de memória uma das histórias do livro. A população da Lua, por um desastre qualquer, teve de ser totalmente evacuada.(...) "



Em suma, Tezza me conquistou por suas crônicas muito bem escritas e inteligentes e ainda me deixou muito curiosa para conhecer outros trabalhos do autor, recomendo muito.

Beijos


16 comentários

  1. Confesso que crônicas não era um tipo de texto que costumava ler, até ler ''Apaixonada por histórias' da Paula Pimenta, pode até não serem as melhores crônicas mas me abriram para o universo destes textos incríveis, que por serem cronicas possuem linguagem simples, algo que amo, gostei do autor conseguir tratar de alguns temas com divertimento, certeza que irei fazer a leitura da obra

    ResponderExcluir
  2. Eu não costumo ler crônicas regularmente, mas de vez em quando surgem umas que são impossíveis de não serem lidas. Não conhecia o autor e nenhuma de suas obras, mas saber que ele te conquistou, me deixou extremamente intrigado e curioso para ler esse livro também.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Mila. Não sou lá muito fã de crônicas, mas o livro me pareceu ser interessante. Beijo!


    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Mila,
    não curto muito crônicas, mas o libro parece ser interessante.

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  5. Mesmo o livro não tendo despertado o meu interesse, eu confesso que é uma obra bem interessante e que é uma ótima dica.
    Mil beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. É tão bom quando um livro nos prende a ponto de não querermos mais largar. Não costumo ler crônicas, então não sei se essa iria me agradar.

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto tanto de crônicas ! Sempre estou procurando algumas na internet sabe? Que bom que você fez essa leitura e apresentou pra gente .
    Cronica é mesmo uma leitura rápida e cativante :)

    ResponderExcluir
  8. É tão bom quando lemos um livro que não damos nada por ele, mas que acaba superando nossas expectativas. Também não costumo ler livros de crônica, porém esse livro me despertou um certo interesse ainda mais pelo assunto abordado nos textos, adorei essa dica.

    ResponderExcluir
  9. Eu também não tenho o hábito de ler crônicas mas ,como você ,eu posso me surpreender com esse livro é acabar me interessando mais por esse tipo de texto.
    Beijos!

    www.emcadapágina.com

    ResponderExcluir
  10. Crônicas não são meu gênero favorito, tanto é que li pouquíssimas, mas o cotidiano é um tema que se adéqua a qualquer gênero.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Mila.
    Só lembro de ter lido um livro de crônicas na minha vida e não é que gostei dele? hehe. Achei essa capa muito interessante e acho que daria uma chance ao livro. Os trechos que você separou, eu gostei muito, principalmente do segundo hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  12. Oi Mila.
    A resenha ficou ótima, porém eu particularmente não gosto muito de crônicas, então essa não seria uma leitura para mim.
    Porém os quotes são ótimos, é tão bom você ler um livro sem expectativas e ele superar tudo o que imaginou, essa capa é intrigante.
    Boa Noite.

    ResponderExcluir
  13. Tinha visto uma resenha dele e foi boa, achei interessante.
    Gosto de livros assim e faz um tempo que não pego um desses. Ele parece ser bom. Uma boa leitura mesmo.

    ResponderExcluir
  14. Oi Mila!
    Não conhecia esse livro, apesar de ter sido lançado esse ano. Nunca li crônicas, e para ser bem sincera não tenho muito curiosidade, apesar de o livro ser curtinho e parecer tem uma leitura bem rápida, acho que não o leria.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Amooooo ler livros de crônicas!! Geralmente leio as da Martha Medeiros, porém, sempre tive curiosidade para ler um livro do Tezza e agora fiquei ainda mais ansiosa!!
    Muito legais os quotes que você postou, gostei muito mesmo!
    Parece ser bem contemporâneos e divertidos.
    bjss

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto bastante de crônicas, apesar de não ler muitos livros deste tipo.
    Vou pesquisar mais sobre esse livro, e acho que vai entrar para a minha lista de leituras!

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!