Resenha Uma Garrafa no Mar de Gaza

em 21 de julho de 2015


Uma Garrafa no Mar de Gaza Valérie Zenatti


Um homem-bomba se explodiu dentro de um café em Jerusalém. Seis corpos foram encontrados. Uma garota, que se casaria naquele dia, morreu junto com o pai "algumas horas antes de vestir seu lindo vestido branco". E Tal não consegue parar de pensar em tudo isso.
Tal é uma israelense que, como toda garota de dezessete anos, vive suas primeiras experiências - o primeiro grande amor, as primeiras escolhas profissionais e também o primeiro atentado. Depois de vivenciar esse momento trágico, ela escreve uma carta a um palestino imaginário, coloca em uma garrafa e pede ao irmão, que presta o serviço militar perto de Gaza, para lançá-la ao mar. Algumas semanas depois, recebe a resposta de um certo "Gazaman"...






Este foi o primeiro livro que li de escritores franceses, Valérie Zenatti escreve maravilhosamente bem, fiquei apaixonada pelo livro e mais ainda pelo filme.

Neste livro conhecemos um pouco mais dos conflitos entre Jerusalém, Palestina e Israel (Faixa de Gaza), no meu caso eu não conhecia muito deste conflito, apesar de gostar muito de conhecer as diversas culturas que temos por aí, então, para mim foi um livro recheado de fatos novos, acontecimentos que me assustaram e me encantaram ao mesmo tempo.

Em Uma Garrafa no Mar de Gaza conhecemos Tal Lavine que vive em Jerusalém, ela nos conta sobre uma mulher que morreu no mesmo dia de seu casamento por um homem-bomba, também nos conta do medo que é viver quando não se sabe quando outra bomba irá explodir, com tantos pensamentos na cabeça, Tal pede a seu irmão que jogue uma garrafa no Mar de Gaza, dentro desta garrafa está uma carta com contatos de e-mail de Tal, ela aguarda ansiosa por qualquer retorno.


"Eles nem percebem mais que suas guerras ferem, cada vez mais violentamente, aquela que dizem amar, e que de certa forma estão destruindo." Pág. 15


Enquanto isso no Mar de Gaza, conhecemos Naim, a situação de vida dele não é das melhores, ele encontra a carta de Tal e a principio debocha dela, o apelido que ele cria é Gazaman, Naim e Tal aos poucos vão se conhecendo, e sem saber os dois vão se ajudando a passar pelas dificuldades da vida de ambos, Naim nem percebe que faz mudanças em sua vida e talvez a influencia seja de Tal.

Este livro é maravilhoso e super rápido de ler, ele mexeu com minhas emoções, despertou meu interesse em saber mais sobre a Faixa de Gaza e também a querer uma continuação do livro.

A leitura é rápida, li em dois dias, um livro emocionante e o melhor é poder ver o filme seja antes ou depois de ler!

Eu primeiro vi o filme e depois li o livro, temos algumas mudanças singelas, porém nada de mais.

Virou favorito!


Beijos


9 comentários

  1. Camila..
    Este é a primeira resenha que vejo do livro, mas gostei de conhecer e saber que te tocou.
    É mais que motivo para eu querer conferir a obra um dia. Também desconhecia o filme..gente estou precisando me atualizar.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Mila!
    Gosto de livros que falam sobre os conflitos de guerra.
    Me parece que aqui ficou um tanto poetizado, mas ainda assim, adoro essa história de jogar uma garrafa no mar para que alguém encontre...Queria encontrar uma um dia...kkkk
    “O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.”(Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  3. gostei de conhecer o livro, deve ser um livro bem emocionante mesmo, também fiquei interessada em ler sobre a Faixa de Gaza e conhecer um pouco mais do assunto.

    ResponderExcluir
  4. Oi Camila, não vi o filme e nem li o livro ainda, mas acho legal quando as mudanças são singelas, como você mesma ressaltou, não gosto quando õ filme acaba ficando descaracterizado do livro.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Como estamos tão longe, muitas vezes recebemos de forma passiva as informações vindas da disputa entre Jerusalém, Palestina e Israel. Mas é como a personagem diz e seus medos de não saber onde a próxima bomba explodirá, onde o próximo conflito ocorrerá. E vc sente tudo, o medo, a incerteza, a angústia.

    ResponderExcluir
  6. Caramba, que imaginação e que talento pra criar uma história tão bela na tão conflituosa faixa de gasa..

    Acho muito triste o motivo da guerra entre diferentes culturas, tudo por causa da religião. É muito triste ver dezenas de mortes serem por justificadas pela religião :/

    Http://www.Coruujando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi! Já trabalhei um pouco esse tema, mas não profundamente como eu gostaria, penso em como as pessoas devem sofrer com essa guerra constante, achei interessante esse livro e o mais engraçado é que a personagem espera uma resposta de quem encontrar a garrafa, parece confiar que alguém vai encontra-la, mesmo em alto mar. Achei interessante essa troca de mensagens que eles vão passar, estou curiosa para saber se eles um dia iram se encontrar e o que acontecerá!!! Muito bonita essa história de amizade, eles buscam apoio um no outro.

    ResponderExcluir
  8. ;d esse livro tem toda a acara e sinopse de serem muito legais
    fico tentada a ler essa é a segunda resenha dele que leio que a pessoa fala que ama
    que adora e não vive sem
    quem sabe eu não dou uma chance eim
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu não conhecia este livro, a capa dele não chama muito a atenção mas parece ser um belo romance.
    Beijos

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!