Filme: 50 Tons de Cinza

em 12 de março de 2015


50 Tons de Cinza

Nome original: Fifty Shades of Grey

Gênero: Erótico, Romance, Drama

Direção: Sam Taylor-Johnson

Roteiro:E.L James, Kelly Marcel

Elenco: Jamie Dornan, Dakota Johnson, Andrew Airlie, Ann Wu-Lai Parry, Anna Louise Sargeant, Anne Marie DeLuise, Anthony Konechny, Brent McLaren, Callum Keith Rennie, Chad Fortin, Dylan Neal, Eloise Mumford, Emily Fonda, Jason Cermak, Jason Verner, Jennifer Ehle, Jo Wilson, John Specogna, Jordan Gardiner, Julia Dominczak, Kirt Purdy, Luke Grimes, Marcia Gay Harden, Matthew Hoglie, Max Martini, Megan Danso, Peter Dwerryhouse, Rachel Skarsten, Raj Lal, Reese Alexander, Rita Ora, Steven Cree Molison, Tom Butler, Victor Rasuk


Sinopse

A jovem Anastacia Steele (Dakota Johnson) é uma estudante de literatura de 21 anos, virgem e recatada. Até que um dia ela deve entrevistar para o jornal da universidade,o excêntrico e bilionário Christian Grey (Jamie Dornan). A partir daí, os dois iniciam uma relação nada convencional, com a descoberta intensa de amor e sexo. Tudo parecia dar certo, até que ela descobre o segredo do grande poderoso Sr.Grey, onde ela irá conhecer os prazeres exóticos do sadomasoquismo, tornando-se o objeto de submissão do sádico Christian Grey.










Chapeuzinho vermelho virgem e o lobo mau "robótico"




A trilogia 50 Tons de Cinza despensa qualquer apresentação, com a sua chegada aos cinemas, ocasionou uma legião de fãs e a imprensa correrem para as salas de cinemas mais próxima, para conferir o longa metragem. Eu tenho que ressaltar que li o primeiro livro, apesar de não ser o estilo que aprecio. Em minha opinião, a adaptação para as telonas pode ser definida em duas palavras: superficial e pueril. Embora, com as sequências de cenas eróticas subjetivas na trama, a consequência foi um novelo de cenas embaralhadas entre um casal apaixonado clichê e “sexo subjetivo”, nada convencional,entre uma chicotada em câmera lenta ali, um pescoço arqueado acolá. Um conto de fadas moderno, uma chapeuzinho vermelho virgem e inocente, que se apaixona por um lobo mau, com um passado trágico, que desencadeou a preferência por um tipo de relação sexual alternativo.



Entre os apelos das frases de efeito, as vozes impregnadas de sussurro sensual forçado, a “quase” expressão do protagonista, que parecia ter vindo do mundo dos robôs e aterrissado na trama e, o não menos importante, a expressão “Bella”clássica transplantada na face inocente da protagonista. Sinceramente, eu estava sem nenhuma expectativa sobre o filme, todavia encontrar um Sr. Grey engessado e uma Anastácia “sem sal” foi decepcionante. Porque eu sou leitora voraz, sou apaixonada por diversas séries e ter uma delas transformada, em algo tão insosso e plastificado, é um insulto para os fãs.




Então percebi que a primeira coisa sobre o livro/filme é que, como literatura erótica, ele é péssimo. Não compreendo como um livro pode ser tão indeciso, entre um romance clichê ou um romance erótico sem graça. Para mim, as duas vertentes não são aceitas de forma alguma. Especialmente, por abordar de forma “deformada” um tema interessante, o BDSM. É um romance de banca de revista, escrito por alguém, que comentou um erro gravíssimo em suas pesquisas para escrever a obra, por não descrever de forma adequada o sadomasoquismo.


O que me incomodou muito foi sobre como é associado o BDSM no livro, é tratado com um desvio de caráter, uma doença cuja cura é o amor de Ana. Agora irei fazer um resumo minúsculo sobre toda a problemática do filme/livro: Christian é manipulador, machista e condescendente. Anastácia é moralista, mesquinha e sem nenhuma autoestima. Na teoria, o Sr.Grey seria o mentor de BDSM dela, todavia parecia menosprezar isso. Eu nunca o vi informá-la nada sobre as cenas que vão fazer.


No filme, a narrativa cai em controvérsia em muitos momentos, o personagem revela não ser o tipo de “homem romântico”, na próxima cena faz um passeio digno de corações e trilha sonora romântica ao fundo, acompanhado de mãos dadas com a donzela. Nem irei comentar sobre o contrato “sem sal”, assemelhado a de contratos de carros de aluguel, dos mais tediosos, que ele propõe a protagonista. A mocinha é tão recatada e alienada que ainda acredita num conto de fadas, onde cavaleiros de armaduras que resgatam princesas indefesas; sem parar, ela repetir que o amor dela irá libertá-lo das trevas de seus desejos exóticos,ou seja o BDSM, e leva-lo para a redenção. 


Enfim, um emaranhado de situações repetitivas ao longo de duas horas, um punhado de conflitos fracos e a química do casal era tão sincronizada e mecânica, que por um instante esqueci do que se tratava o filme. No fim, o adaptação está mais para um tipo de filme Crepúsculo hot, com cenas de sensualidade, um homem bilionário traumatizado, que parece um modelo do catálogo Hugo Boss, uma mocinha boba, cores vibrantes e ausência de mordida. 


Até a próxima...


12 comentários

  1. Oi! ^^
    Eu não assisti o filme porque não é do gênero que eu gosto. Sinceramente não acho que seja necessário mais incentivo ao erotismo nesse planeta! Que falta faz para as pessoas filmes com mensagem de esperança e inocência.
    Pelo que você escreveu que bom que eu não assisti. Teria sido maçante. Muito esclarecedora sua resenha! Gostei!

    Beijussss;
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oie eu tbm li o primeiro livro...
    mas achei uma boa adaptação na minha opinião o livro e o filme é tão ruim um quanto o outro!
    Mas foi legal sua resenha
    bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi Silvia...
    Existem os que amam e os que odeiam esse livro/filme.
    Eu comecei a ler o livro e parei. Me pareceu que seria igual o Toda sua, e este livro foi cenas detalhadíssimas do começo ao fim, e não ia ter saco.
    O filme eu vou assistir só para ficar por dentro da história, mas vou esperar sair uma imagem boa na internet..rs Dá para perceber que a personagem é boba, e o outro um lunático.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Posso te dizer que o livro apesar dos pesares eu gostei. Pois por mais que o livro fale sobre BDSM ele nada mais é do que um romance e eu gosto disso.

    Agora o filme, posso te dizer, é muito pior do que o livro. E isso se deve em grande parte pela interpretação do ator que fez o Grey- ele realmente não parecia estar a vontade com o personagem. E da TOTAL falta de QUIMICA entre ele e a Anastasia. Não é atoa que eles tiveram que refazer algumas cenas. Enfim, dessa adaptação posso tirar duas conclusôes, a primeira: que o segundo filme não vai ter mais essa bilheteria tão boa como foi no primeiro. E em segundo: tem histórias que devem ficar apenas na literátura.

    Beijos

    http://ventoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie Silvia
    apesar de discordar da sua opinião e ter amado o filme, preciso elogiar sua crítica, que está muito bem escrita e eloquente. Parabéns.
    Bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  6. OI,Sil.
    Sou nova no mundo dos Blogs e estou agora começando a conhecer outros Blogs sobre livros. Gostei muito do seu. Está bem montado. Acabei de dar o larga no meu e ficaria feliz se vc. o visitasse. http://oslivrosdaminhabiblioteca.blogspot.com.br/ . Beijo NILDA

    ResponderExcluir
  7. Oi Silvia, também achei que o filme ficou muito abaixo do retratado nos livros. Jamie ficou mesmo muito robô, mas achei que Dakota foi bem. Faltou drama e emoção, sobrou marketing.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. O filme é degradante, é, mas a personagem pediu por tudo o que aconteceu, inclusiva pra ser castigada, então não entrarei na questão pq entendi que ela quis.
    Li o livro + ou -, na verdade fiz uma leitura por cima, mas tudo que lembrava ta no filme. Jamie tava muito automático, mas gostei de Dakota. Ela deu um ar engraçado a personagem nada parecida com a anta lesada do livro. Acho que ela segurou bem o papel pq não deve ter sido fácil passar qse o filme inteiro nua e naquelas posições.

    ResponderExcluir
  9. Não li os livros, portanto não posso julgar a história. Mas confesso que depois de ouvir tantas críticas relacionadas ao filme, fiquei com a impressão de que foi uma adaptação muito infeliz. Os personagens não estão bem caracterizados, muito menos bem interpretados. E o resto parece sem sal, assim como a protagonista. Uma pena para os fãs da trilogia.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Eita Sílvia!
    Pegou bem pesado em sua análise, mas gosto quando sentimentos verdadeiros são expressam.
    Li o livro e por coincidência, assisti o filme hoje e devo concordar que a adaptação foi péssima em relação ao livro. Até agora não entendo porque tanto alarde quanto ao filme, porque mais insinua do que mostra...
    Fiquei me questionando quanto ao romantismo, porque para mim, tive a nítida impressão que Sr. Grey é romântico sim, embora em alguns momentos seja um 'grosso'.
    O livro é bem melhor que o filme.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Silvia a-d-o-r-e-i sua crítica do filme, Eu só li o primeiro livro também e não curti nada, desde o começo achei péssimo, mas vez uma pessoa, no meio de tantas que gostaram, dizendo como foi ruim e dando motivos para isso me alegrou, sinceramente, sinto que não estou sozinha mais hahaha

    beijos
    http://pobreleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Eu achei o filme bem superficial, não foi fiel ao livro, mas gostei, e o que mais me divertiu no cinema era os grupinhos de senhoras eufóricas a cada cena hot rsrsrs.

    Beijos

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!