Belas-Letras Entrevista Tatiana Romano

em 2 de fevereiro de 2015






Tatiana Romano é autora de Panelaterapia, saiba um pouco mais sobre seu livro e sua entrevista.

Vamos conhecer um pouco mais sobre Tatiana e de como cozinhar mudou sua rotina!


O melhor dia da semana para a psicóloga Tatiana Romano era o domingo. Dividida de segunda a sábado entre trabalhar em uma consultoria, dar aulas e concluir uma pós-graduação, a paulista de Presidente Prudente (SP) tinha apenas esse dia livre para fazer o que quisesse. “Engana-se quem me imaginou jogada no sofá de pijama e pantufas. No domingo eu queria era cozinhar” conta ela. Nas aventuras pela gastronomia, Tatiana abandonou a antiga rotina, criou o blog Panelaterapia e agora lança pela Belas-Letras o livro de mesmo nome.

Em entrevista, Tatiana conta como foi o processo de mudança de rotina, como as emoções influenciam na cozinha e dá dicas para os futuros cozinheiros. 



Belas-Letras: Da Tatiana consultora, professora e estudante para a Tatiana blogueira e cozinheira o que mudou na sua vida após criar receitas para lidar com as emoções?

Tatiana Romano: Muita coisa, mas principalmente a qualidade de vida. Trabalhar fazendo o que você realmente gosta torna a vida mais leve e, consequentemente, melhora tudo, inclusive sua saúde física e emocional.



Belas-Letras: Como foi o processo de abandonar a rotina de trabalho, aulas e estudos e se dedicar exclusivamente à cozinha?

Tatiana: Percebi que algo tinha que mudar no meu estilo de vida quando desmarquei uma consulta médica pela terceira vez já que não conseguia sair do trabalho para ir ao consultório. Nessa época eu ainda não sabia que iria viver do meu trabalho na internet, embora o blog já existisse há dois anos. O que eu sabia era que precisava diminuir o ritmo de trabalho e foi o que fiz gradativamente. Na medida em que eu fui diminuindo minha carga horaria de trabalho como Analista de RH, o blog foi crescendo e ocupando esse espaço, até que um dia ele dominou 100% da minha rotina e virou profissão. Fazer uma escolha significa abandonar antigas rotinas e esse foi um processo complicado, principalmente porque envolvia carreira, mas tudo foi feito de maneira planejada, com riscos calculados o que tornou o processo mais simples. Hoje vejo que foi a melhor coisa que fiz pela minha qualidade de vida.



Belas-Letras: Você percebe que as pessoas estão se interessando mais pela gastronomia?

Tatiana: Sim, e nesse sentido, a internet foi fundamental. Hoje as pessoas aprendem a cozinhar assistindo vídeos, lendo blogs e o mais importante, elas podem interagir. Se um leitor deixa um comentário no meu blog com uma dúvida, eu prontamente já respondo. Isso encoraja as pessoas a se arriscarem na cozinha.



Belas-Letras: O que não pode faltar em uma boa cozinha?

Tatiana: Intuição. As pessoas precisam arriscar mais, ousar mais. Usar temperos diferentes, substituir ingredientes, criar suas próprias receitas, fazer  uso maior da autonomia. Cozinha é alquimia, você não tem que se prender a nada.



Belas-Letras: Com receitas sofisticadas e mais trabalhadas, como Risoto de Mignon e Shitake, que abre o livro, o capítulo Raiva testará a paciência dos cozinheiros?

Tatiana: Não exatamente. Na verdade, esse capítulo tem como objetivo estimular momentos de reflexão, porque entender o motivo da raiva faz você lidar muito melhor com ela. Um risoto é um prato que exige movimentos repetitivos, ou seja, você pode preparar enquanto sua mente divaga, pois não exige uma atenção constante na atividade.



Belas-Letras: A maioria das receitas do livro no capítulo Tristeza são doces, muitas delas usando o chocolate como ingrediente principal. O açúcar é o melhor aliado das pessoas tristes?

Tatiana: Sim, eu acho que fazer um agrado a si mesmo em alguns momentos é necessário. Nesse capítulo eu usei muito mais do senso comum e do meu feeling de cozinheira do que qualquer embasamento científico. Todo mundo concorda que um bom chocolate levanta qualquer astral.




Belas-Letras: No capítulo Medo as receitas tentarão superar a dificuldade de muitos cozinheiros em ousar na cozinha? 

Tatiana: Sim, esse é o intuito do capítulo. Usar a cozinha como pano de fundo para ilustrar que é possível superar medos e se permitir ousar em todos os aspectos da vida.



Belas-Letras: Uma pessoa alegre tende a cozinhar com maior facilidade?

Tatiana: Uma pessoa alegre tende a fazer tudo melhor. A alegria é energia vital se manifestando, isso se traduz em positividade, autoconfiança e como consequência as coisas fluem melhor.



Belas-Letras: Quais das receitas do Panelaterapia que você mais se impressionou com o resultado?

Tatiana: Eu recebo muitos feedbacks de leitores sobre as receitas do blog e a mudança que elas fazem nas vidas das pessoas. Isso é o que mais me impressiona, pois jamais imaginei que receitas poderiam tomar essa proporção. Tem gente que pagou a faculdade fazendo o bolo de cenoura para vender. Tem um rapaz que vende salgados para três escolas com uma receita de massa que eu dei no blog, então o que mais me impressiona é o alcance do meu trabalho.



Belas-Letras: Se um leitor receber uma visita inesperada para o jantar, qual receita do Panelaterapia é a mais rápida e indicada para a ocasião?

Tatiana: Como receita envolve nível de habilidade do cozinheiro, gosto pessoal, restrições alimentares, aí fica complicado indicar sem conhecer. Mas, no geral, qualquer uma, porque costumo dizer que 90% das receitas do blog não vão te prender por mais de 40 minutos na cozinha.



Belas-Letras: Qual a melhor dica para os futuros cozinheiros?

Tatiana: Vontade, intuição e ousadia. Qualquer um pode cozinhar e como em todo aprendizado o erro faz parte do processo.



Rápidas

Doce ou salgado? Doce, salgado, azedo, amargo...

Quente ou frio? Quente

Sobremesa favorita? Mousse de Coco com Chocolate

Chef favorito? Prefiro a comida das mães, donas de casa, o pudim da vó...

Programa de culinária favorito? Assisto mais vídeos de receitas pela internet e tem gente fazendo um trabalho tão bom e bem produzido quanto na TV, mas são muitos, não tenho favoritos.

12 comentários

  1. Panelaterapia parece ser um livro ótimo. Fiquei com mais vontade de ler ainda após essa entrevista.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de fevereiro. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  2. Nossa eu ia amar esse livroo pq amoo cozinhar kk e amaria ver uma historia onde isso muda a vida de uma pessoa, mtoo legal a entrevista..

    ResponderExcluir
  3. Mila!
    Adoro cozinhar e fiquei encantada em ver que a Tatiana largou tudo para fazer o que gosta.
    O livro deve ser maravilhoso relacionando os sentimentos interiores com as receitas.
    Parabéns para a Belas Letras.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Oii
    Que legal ela resolver diminuir o ritmo de trabalho e colocar as caras mesmo em uma coisa nova.
    Eu tentei fazer isso, mas não deu tão certo.
    Adorei a entrevista.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Não conheço nenhum trabalho da autora mas adorei a entrevista
    :c muito legal seu post parabéns...
    bjokas enormes

    http://cantodadomino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, essa parte que ela diz que tem que desmarcar as consultas por conta da rotina de trabalho...tão eu! rsrsr Acho que preciso mudar meu estilo de vida.
    A entrevista ficou muito boa, gostei e acho que leria o livro dela.

    ResponderExcluir
  7. Oi, flor!
    Quando soube do lançamento desse livro, não me interessei… Mas ler essa entrevista foi um tapa na cara. Eu não gosto de cozinhar e, portanto, sei apenas o básico. Minha rotina, no entanto, está repleta de atividades profissionais. Assim como a autora, sou psicóloga e trabalho muito. Ano passado adoeci (de uma enfermidade incurável, que me tornou dependente de um medicamento) e soube que precisava dar um "basta".
    Comecei a cozinhar… Lógico, não me agrada o processo, mas o resultado me deixa feliz. Ver o meu marido contente, experimentando o que estou ousando fazer, é uma nova fonte de alegria que não conhecia. Eu não sei fazer receitas complexas, mas acho que está na hora de tentar! :) Vou atrás do livro. O fato de seus capítulos serem sentimentos me atraiu e a autora, sendo uma blogueira ativa, me faz sentir que posso – a qualquer momento – esclarecer dúvidas diretamente com ela.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Muito bom! É tão interessante ver pessoas mudando de "profissão". Quando somos novos, achamos que temos que "ser uma única coisa quando crescer". Mas as coisas mudam, e nós também. E o mais interessante é que mesmo partindo para outra, a autora consegue incorporar elementos de sua profissão original!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi! Não consigo descobrir a minha relação com a cozinha, uma hora sou ótima, uma verdadeira chef, outra já sou uma completa iniciante. Gostei de uma pergunta feita sobre cozinha estando alegre, comigo isso sempre resolve, se eu estiver de mal-humor melhor não me aproximar da cozinha.
    Fiquei curiosa sobre o livro, parece ser bom.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia a autora, mas cozinhar é sim uma terapia. Meu problema é que não consigo fazer comidas saudáveis, meu negócio mesmo são doces e massas hahahahahaha

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia a autora, mas adorei saber mais sobre ela, também sou apaixonada por gastronomia haha.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!