Resenha: Fragmentos: Poemas, Anotações Íntimas e Cartas de Marilyn Monroe

em 28 de novembro de 2014

Escritos de um dos maiores ícones da cultura contemporânea ganham edição de luxo agora publicada no Brasil! 

Pouca gente sabe, mas a atriz norte-americana Marilyn Monroe, símbolo universal de beleza e sensualidade, era uma leitora ávida: consumia de tudo, inclusive alta literatura (o que inclui Gustave Flaubert, Samuel Beckett, Joseph Conrad, Ernest Hemingway, Albert Camus e James Joyce). E, como qualquer pessoa que convive com os livros, acabou por escrever seus versos, além de deixar diários e incontáveis cartas. 
É exatamente esse precioso material, desconhecido do grande público até 2010, que virou um belo livro nos Estados Unidos e na Europa, com retumbante sucesso, agora lançado no Brasil pelo selo Tordesilhas. 
Amiga e discípula de Lee Strasberg (1901-1982) - diretor do famoso Actors Studio e espécie de pai espiritual da atriz -, Marilyn legou a ele 75% de seus bens (inclusive o licenciamento do uso de sua imagem), entre os quais esses manuscritos agora reunidos em livro. 
O volume contém páginas de confissões pessoais (anotadas em folhas ou em diários), vários poemas ou versos esparsos e muitas cartas. A edição reproduz (em quatro cores) os documentos originais, a transcrição (em inglês) e a tradução para o português. É como se o leitor tivesse uma cópia fiel dos escritos íntimos da grande deusa do cinema, com o privilégio de manuseá-los à vontade e poder sondar calmamente a intimidade da Vênus de Hollywood. 
Como diz Ruy Castro no texto de contracapa, 'Este livro revela uma nova e surpreendente Marilyn - tão sedutora e irresistível quanto a Marilyn carnal pela qual nos apaixonamos no cinema.'
















Título: Fragmentos


Subtítulo: Poemas, Anotações Íntimas e Cartas de Marilyn Monroe

Editora Tordsilhas

ISBN: 9788564406292

Páginas: 272

Edição 1

Ano: 2012

Assunto: Biografias, Diários, Memórias & Correspondências, Literatura









“Na tela da escuridão absoluta / surgem sombras de monstros / 


meus inabaláveis companheiros/ E o mundo dorme/ Paz, preciso de você, 


mesmo que seja um monstro pacífico”




Sou fã confessa da atriz Marilyn Monroe, coleciono tudo o que se refere a ela: canecas, ímas, fotos, filmes e claro, livros baseados em sua vida. Fragmentos, logo que lançou, já fui correndo adquirir meu exemplar, lançado no Brasil pela editora Tordsilhas, é belíssimo, em capa dura, todo ilustrado com fotos da atriz com seus maridos, envolta com livros e mostrando seu cotidiano, nem tão glamouroso como sempre queremos vê-la, e este é um livro para colecionadores.


Norma Jean, seu nome verdadeiro, possuía uma biblioteca com mais de 400 títulos, amava ler, até por influência do seu marido na época, o escritor Arthur Miller. 


Marilyn estudou na Universidade de Los Angeles e sonhava interpretar Julieta de Shakespeare, também foi casada com o astro do beisebol, Joe Di Maggio e diz-se ter tido casos com os irmãos Bob Kennedy e John Kennedy, além de outros astros de Hollywood, sofreu três abortos, uma gravidez ectóptica e nunca teve filhos. Foi encontrada morta em sua residência, numa manhã de agosto aos 36 anos de idade, por envenenamento por barbitúricos, um provável suicídio.


Este livro é um apanhado de cartas, rascunhos, trechos de seus diários (cópias dos originais) e seu intuito claro é mostrar nossa diva além do que estamos acostumados a ver, não como o símbolo sexual de uma geração, e sim como uma pessoa comum, que gostava de coisas normais, como ler, escrever, cozinhar, tinha muitos planos e sonhos, ao mesmo tempo notamos que ela sentia-se muito sozinha, talvez o fato de ser uma estrela, a fizesse se sentir assim, rodeada de pessoas, porém, no seu íntimo, solitária e também meio perdida.Também conta sobre sua infância, e abuso sexual que sofreu, conheceremos um pouco de sua intimidade, bem pouco conhecida do grande público.


Neste livro vemos uma mulher que gostava da cultura em geral, que adorava aprender, e se não soubéssemos de quem se tratava, diríamos ser alguém como eu e vocês de tão corriqueiros suas memórias, mas mesmo sendo tão simples, valem a conferida, pois afinal, ela não é uma pessoa comum, é o eterno ícone do cinema mundial, Marilyn Monroe, e só isso, já basta para ter este belo livro para enfeitar nossas estantes!





"Sozinha!!!!!

Eu estou sozinha, Eu estou sempre

sozinha

não importa o que aconteça.

Não existe nada a temer 

exceto o próprio medo.

No que acredito

Ser a verdade

Acredito em mim mesma até nos meus 

sentimentos mais delicados e 

intangíveis

no fim de tudo é intangível

meu líquido mais precioso não deve 

jamais ser derramado 

Não derrame o seu líquido precioso 

Força da vida

Todos são meus sentimentos

Não importa o que aconteça.

Meu sentimento parece que não 

consegue caber em palavras."





Fragmentos: Poemas, Anotações Íntimas e Cartas de Marilyn Monroe organizado pelo francês Bernard Comment e pelo norte-americano Stanley Buchtal, é prefaciado pelo italiano Antonio Tabucchi e fartamente ilustrado com fotografias da atriz - sozinha, entre livros ou com amigos e maridos. Ao final, traz detalhada cronologia da vida de Marilyn, além da reprodução das capas originais dos livros de sua biblioteca. Um dos últimos textos é o Elogio fúnebre, assinado por Strasberg em 9 de agosto de 1962. Esta data é um detalhe importante: em 2012 comemorou-se os 50 anos de falecimento deste que foi certamente o maior mito do cinema.








Espero que tenham gostado, beijos doces!


Até a próxima,




#TAG: Redes Sociais

em 27 de novembro de 2014



Achei super legal esta TAG que vi no blog ENTRE VIRGULAS que consiste em associar uma Rede Social a um livro, e resolvi responder aqui para compartilhar minhas experiências com vocês!







Twitter: Um livro que você compartilha com todo mundo





O livro que mais compartilhei com todas as pessoas, sem sombra de dúvidas foi Um gato de rua chamado Bob, indico a todos, é um livro que agrada a todo tipo de público e traz uma mensagem linda independente de amar animais! 

É o tipo de livro para presentear, sem medo de errar, as aventuras deste gatinho incrível e seu dono são famosas na Inglaterra, tem perfil nas redes sociais inclusive, é um animal de estimação celebridade rsrs


Facebook: Um livro que você gostou muito e foi recomendado por outras pessoas







O Clube dos Imortais, é um livro de um escritor nacional chamado Kizzy Ysatis, e com ele ganhou o prêmio Rachel de Queiroz em 2005, eu vi sua entrevista no Programa do Jô e me interessei, mas foi com indicação de uma amiga e da minha mãe, que primeiro leu a obra que realmente eu quis ler. Afinal, uma pessoa como minha mãe, com seus 70 aninhos gostar muito de uma história com vampiros que se passa na cidade de São Paulo, então o livro deveria ser ótimo, e realmente é,  já está entre meus favoritos, recomendo muito e está na 2ª Edição que é a segunda capa acima.




Tumblr: Um livro que você leu antes de criar o blog e ainda não fez post sobre ele




Eu não fiz este blog, sou apenas uma colunista, e este foi um dos muitos livros que eu li antes de começar a resenhar em blogs e que preciso urgentemente fazer um post, pois merece e como tem até um filme, seria bem interessante.

O código da Vinci foi um livro que me surpreendeu, não achei que gostaria pois não gosto de modinhas, e este também está também entre meus favoritos.


MySpace: Um livro que você não tem a intenção de reler





De tantos que eu não leria novamente, este é um deles, com uma protagonista irritante, Presentes da Vida poderia ser bem mais curto que a mensagem seria a mesma, não me cativou e não disse a que veio, insosso!

Instagram: Um livro com uma capa bonita


Como amante de livros históricos que eu sou, na minha opinião as capas mais belas são as das coleções de livros da aclamada escritora Philippa Gregory , eu li esta série Tudors, contam sobre a história do rei Henrique VIII, inclusive se basearam neles para a série de TV: The Tudors, são seis volumes com no mínimo 600 páginas cada, li em questão de dias de tão deliciosos que são, e confesso que foram suas capas que me chamaram a atenção!



Youtube: Um livro que você gostaria de ver uma adaptação para o cinema .
                                                                                                                                                                                                                                                                               



Este é um livro tão bonito quanto O menino do pijama listrado, não tem tanta ingenuidade mas seria legal ver sua adaptação para o cinema!


Espero que tenham gostado da TAG, até a próxima!








Promoção Black Friday Editora Jangada

em 26 de novembro de 2014




Ola meus amores, como estão?


Amanhã tem Black Friday e quem aqui vai ficar de olho nas promoções?


Enquanto a Black Friday não chega, que tal participar da promoção de 50% da Editora Jangada?




Para mais detalhes entre no Facebook da Editora, neste link você irá saber melhor como funciona, vai lá dar uma olhada!



Corra e participe. Promoção válida a partir de hoje, até às 18h de quinta-feira (27/11).
O cupom será enviado por e-mail na sexta-feira (28/11) e poderá ser utilizado até domingo (30/11).



Beijos Mila



Resenha Reconstruindo Amelia | Kimberly McCreight |

em 25 de novembro de 2014



Kate Baron, uma bem-sucedida advo­gada, está no meio de uma das reuniões mais importantes de sua carreira quando recebe um telefonema. Sua filha, Amelia, foi suspensa por três dias do Grace Hall, o exclusivo colégio particular onde estuda. Como isso foi acontecer? O que sua sensata e inteligente filha de 15 anos poderia ter feito de errado para merecer a punição?
Sua incredulidade, no entanto, vai aos poucos se transformando em pavor ao deparar, no caminho para o colégio, com um carro de bombeiros, uma dúzia de policiais e uma ambulância com as luzes desligadas e portas fechadas.
Amelia está morta.
Aparentemente incapaz de lidar com a suspensão, a garota subiu no telhado e se jogou. O atraso de Kate para chegar a Grace Hall foi tempo suficiente para o suicídio. Pelo menos essa é a versão do colégio e da polícia.
Em choque, Kate tenta compreender por que Amelia decidiu pôr fim à própria vida. Por tantos anos, as duas sempre estiveram unidas para enfrentar qualquer problema. Por que aquele ato impulsivo agora?
Suas convicções sobre a tragédia e a pró­pria filha estão prestes a mudar quan­do, pouco tempo depois do funeral, ela recebe uma mensagem de texto no celular:
Amelia não pulou.
Alternando a história de Kate com registros do blog, e-mails e posts no Fa­cebook da filha, Reconstruindo Amelia é um thriller empolgante que vai surpreender o leitor até a última página.











Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580412857
Ano: 2014
Páginas: 352
Tradutor: Carolina Alfaro


Amelia não era uma adolescente fácil e alguns de seus palavreados não me conquistaram, a maneira que ela se referia aos seus colegas algumas vezes me deixava irritada, só por ali eu já pensava que ela poderia arrumar algum problema.


O livro segue um ritmo bom, Amelia pode ser cruel ás vezes, ela não tem papas na língua e fala o que bem entende, aos poucos vamos conhecendo seus medos, seus anseios juntamente com sua mãe.


“E as mesmas perguntas de sempre: quando é que a queridinha da Dylan vai abrir o jogo e dizer com quem está transando? Será que a Heather e a Rachel algum dia vão admitir que dormem juntas? A Zadie vai conseguir ficar fora da cadeia até se formar? Que veterana o nosso charmoso calouro Carter vai pegar primeiro? E quem é esse tal de Ian Greene? Será que ele é gostoso como parece nas fotos do livro de alunos? Minha bola de cristal diz que isso parece ser duvidoso. Mas vocês serão os primeiros a saber.”


Não vou falar muito porque o pouco que falo posso revelar algum “Spoiler” e acho que este livro vale a pena ser lido com toda carga de mistério, todas as descobertas.

Reconstruindo Amelia é dividido em partes, por vezes ficamos a par da vida agitada de Kate, como foi sua gravidez e sua busca por reconhecimento profissional. Outras vezes conhecemos um pouco mais Amelia, seus amigos como Sylvia e Ben, conhecemos um pouco mais Amelia através de seu diário, seus bates papos virtuais, suas mensagens e e-mails.

Kimberly McCreight escreve muito bem, sua narrativa é cheia de sentimentos e o leitor se sente dentro do livro, a diagramação da Editora Arqueiro está linda assim como a capa, é como se esta capa nos convidasse a refletir sobre o que aconteceu.


"Toda noite em que conseguia pegar no sono, Kate sonhava que estava caindo – do telhado de Grace Hall, da janela de seu escritório, do alto de uma escada – e despertava sobressaltada pouco antes de bater no chão. E toda manhã, ao acordar, sentia a necessidade de ir até o terraço, onde abria uma janela e se debruçava para o lado de fora, segurando-se do batente e olhando para baixo. Mas obrigar-se a ver o que Amelia vira nos últimos segundos de vida nunca seria punição suficiente. Nada jamais seria punição suficiente."


O sofrimento de Kate ao perder a filha é palpável ao leitor, ela se sente sem ar, sem vontade de viver, olhar para os pertences da filha não ajuda, olhar do alto do prédio do trabalho também não, seus sonhos são quase pesadelos, ela se sente devastada, mais ao ler uma mensagem na tela de seu telefone muda um pouco sua perspectiva, afinal o que houve com Amelia, porque alguém diria que ela não pulou?

Este livro também me fez pensar, em até que ponto o dinheiro, o reconhecimento profissional é importante? Claro que se você é uma pessoa que é só, pode conciliar tudo numa boa, seus compromissos, suas metas podem ser alcançados com mais facilidade, mais se você tem um filho, fica tudo muito difícil, afinal toda criança e adolescente precisa de atenção, carinho e de se sentir amada.

Foi o que senti ao ler as passagens de Amelia, quando ela esperava a mãe chegar do trabalho, quando queria apenas conversar, ou um conselho de sua mãe e ela não estava lá. Será que se a mãe fosse mais participativa as coisas teriam tomado esse rumo?

Reconstruindo Amelia é um livro carregado de emoções e descobertas. Não foi uma leitura fácil, o fato é que já sabemos o desfecho e este livro trata da descoberta de uma mãe que por mais que busque por respostas, ela não poderá trazer sua filha de volta a vida.

Espero que tenham gostado da resenha, foi complicado de fazer, por vezes queria contar tudo que senti ao ler este livro, outras vezes não queria contar demais.





Beijos



Novidades com a Editora Andross

em 24 de novembro de 2014


Oi meus amores, a Editora Andross está com uma promoção muito legal, e se você é autor e está em busca de novas oportunidades neste mercado tão competitivo, não pode perder está chance.



Confira:



SEDE

Contos distópicos sobre um futuro sem água.

SINOPSE:

2013: o clima seco além do normal não chamou atenção do governo.

2014: com menos de 3% de capacidade do reservatório de água da capital paulista, o governo declarou que está tudo sob controle.

2017: a água quase desapareceu das regiões sudeste e nordeste do país, com uma parcela pequena de pessoas com acesso a ela.

2049: a população brasileira caiu vertiginosamente para 8%.

O ano atual é 2065. A falta de um recurso tão essencial nivelou pobres e ricos em uma única categoria: sobreviventes. A conhecida frase da ficção “em um futuro não muito distante” nunca foi tão aterrorizante.



ORGANIZAÇÃO: Paola Giometti

ENVIO DE TEXTO: Até 31 de dezembro de 2014

LANÇAMENTO: Em junho de 2015 na 5ª edição do evento LIVROS EM PAUTA


O que a Editora Andross quer:


Contos que se passem no ano de 2065 e que retratem como será o futuro das pessoas sem a abundância desse recurso tão essencial para a sobrevivência. Não aceitaremos contos de humor sobre o assunto. Se tiver dúvidas, entre em contato com a organizadora do livro pelo email paola@andross.com.br

Confira o Regulamento Aqui.


Confiram outras Oportunidades no Site da Editora. 






Beijos




Nova Parceria

em 21 de novembro de 2014



Ola meus amores, é com muito prazer que vos apresento o Novo Autor Parceiro do Daily of Books Mila, conheçam André Tressoldi.


Confiram:

Biografia



André Alge Balestra Tressoldi, nascido em Joaquim Távora/PR. Começou a escrever em 2010. Em 2012 publicou o romance “Quase Acaso” e o romance policial “Suicídios em Bom Jesus”. Ainda em 2012, teve o conto “Boi de Trela” selecionado para participar da coletânea de Contos em comemoração aos 50 anos da Associação Nacional de Escritores “ANE” de Brasília. Em 2013 recebeu proposta para participar da antologia de contos “As muitas Faces da Morte”, também com o conto “Boi de Trela”. Lançou em 25/08/2014, na Bienal de São Paulo, o romance “Lua, Lobos e Cerrado” (literatura fantástica), pela editora Novo Século. Ainda em 2014 foi vencedor do V Prêmio Manaus de Literatura na categoria melhor livro de contos, com o original “Contos Profissionais” (ainda não publicado).







Sinopse



Lua, lobos e cerrado - André Tressoldi


DO MESMO AUTOR DO ROMANCE QUASE ACASO. Josber é encarregado de auxiliar um grupo de estudiosos pelos diversificados caminhos do ambiente mato-grossense. No entanto, algo que parecia ser uma lenda regional começa a interferir nos dias, ou melhor, nas noites dos pesquisadores, tornando a previsível pesquisa em uma inesperada aventura. Confrontados com essa nova realidade, terão de enfrentar várias criaturas, e a mais presente delas: os lobisomens. Mesmo em meio ao desespero, surge a paixão entre Josber e Tiacha, uma fabulosa guardiã, que se revelará como uma questão a mais no conflito entre o humano e o sobrenatural, selando o destino de todos. 



E aí, gostaram? Eu curti muito, pois adoro uma fantasia!


Beijos




Dia da Consciência Negra 20/11

em 20 de novembro de 2014



O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil. Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho.






A foto acima tirei quando estive em Salvador - BA em 2012, é o monumento em homenagem ao Zumbi dos Palmares.


Devido a este dia especial, indicarei alguns bons livros que nos fazem refletir sobre a questão racial, mais precisamente a afrodescendente que é a que refere a esta data.





Menina Bonita do Laço de Fita


´Menina Bonita do Laço de Fita´ traz uma linda história, onde um coelho branquinho queria casar-se e ter uma filha ´bem pretinha´. Durante a obra, o coelho tenta descobrir o segredo para conquistar o seu tão sonhado desejo. Leia o livro e acompanhe a busca do coelhinho!


Este é um livro que trabalho nesta época do ano com meus alunos mais novos e sempre faz sucesso, eles adoram, recomendo muito pela delicadeza que trata o tema e ternura que nos remete, é realmente uma graça.



João Cândido, o Almirante Negro



Em 22 de novembro de 1910, tiros de canhões sacudiram a cidade do Rio de Janeiro. Estilhaços de vidraças espatifaram-se no chão. Habitués da Avenida Central correram apavorados em direções diferentes. Um automóvel desgovernado subiu na calçada. Ouviu-se ruído de ferro contra ferro. Era o início da "Revolta da Chibata", extraordinário acontecimento político e social que agora, cem anos depois, Alcy Cheuiche narra em João Cândido, o almirante negro. O personagem que dá nome ao livro foi o líder deste movimento, um marinheiro negro que nasceu filho de escravos, em 1880, e morreu como pária, em 1969, no auge da repressão da ditadura militar. Aqui, Alcy Cheuiche dedica sua obra a todos que ajudaram a tirar o Almirante Negro da sua última masmorra, o esquecimento.


"À presença de fatos como este, só o que sinto no mais íntimo da minha alma é a miséria da linguagem humana, esgotada, gasta, já sem serventia para servir de látego sobre a cabeça de criminosos desta categoria e desta monstruosidade." Escreveu Rui Barbosa sobre o assassinato de marinheiros, prostitutas, marginais e trabalhadores após a "Revolta da Chibata".







João de Camargo de Sorocaba e o Nascimento de uma Religião


Este livro, de autoria de Carlos de Campos e Adolfo Frioli, ocupa-se de dar resposta a essa questão e vai além, mostrando aspectos da história de uma importante cidade paulista, riquíssima de tradições e exemplos.


Um livro raro e dificílimo de achar, encontrei no site da Livraria da Folha, conta a história de João de Camargo, daqui da minha cidade, nascido escravo, após a Lei Áurea foi liberto e teve uma visão, e passou a dedicar-se completamente em sua missão com a fundação de uma nova igreja usando de sincretismo religioso, que batizou de Igreja do Bom Jesus do Bonfim das Águas Vermelhas, que ainda existe no mesmo lugar, recebendo visitantes do mundo inteiro. 


O filme Cafundó, do ator\diretor Paulo Betti, também daqui de Sorocaba, é baseado em sua história.





Xica da Silva


Trechos de Quarta | #Teaser |

em 19 de novembro de 2014




Trechos de Quarta (Teaser Wednesday) #92

Qualquer um pode jogar, basta fazer o seguinte,
Pegue sua atual leitura
Escolha seu “trecho” preferido,
Compartilhe um “trecho” do livro
Compartilhe o título e o autor também...






"Eu não estava feliz, nem estava triste, nem esperançoso, nem desamparado. Estava apenas... vazio."




Beijos


Resenha: O Pão da Amizade - Jenna Black

em 18 de novembro de 2014




Certa tarde, Julia Evarts e Gracie, sua filha de cinco anos, chegam em casa e encontram um presente na varanda da frente - um pão da amizade com o bilhete 'espero que você goste'. Junto, há um pacote de farinha, instruções de como fazer o pão e um pedido para que ele seja compartilhado com outras pessoas. Ainda abalada pela tragédia que a distanciou da irmã, antes sua melhor amiga, Julia continua perdida quanto aos rumos de sua vida. Ela jogaria fora o presente anônimo, mas, para alegrar Gracie, concorda em assar o pão. Quando Julia conhece duas recém-chegadas à pequena cidade de Avalon, Illinois, ela desencadeia uma ligação ao oferecer a elas uma parte da massa. A viúva Madeline Davis está trabalhando para manter aberto o seu salão de chá, enquanto a famosa violoncelista Hannah Wang de Brisay está numa encruzilhada, com o fim da carreira e o do casamento. Na cozinha do salão de chá de Madeline, as três mulheres firmam uma amizade que mudará suas vidas para sempre.







O Pão da Amizade
Jenna Black
Ano: 2011
Número de páginas: 392
Editora: Lua de Papel




Livros sobre o cotidiano sempre me encantam por sua simplicidade e mensagens geralmente muito positivas que são um deleite entre um livro mais pesado e dramático que costumo ler, sempre tenho livros assim, já para intercalar com minhas leituras mais “sérias”.


O pão da amizade já é encantador pela capa, belíssima, a sinopse também chama a atenção, comprei já sabendo o que esperar e acertei.



“Com o passar dos anos, eles viram muita coisa. Planetas, estrelas, cometas, shows meteóricos, feixes estelares, galáxias, nuvens. O nascimento da filha deles, três abortos espontâneos, quatro mudanças de casa, inúmeras promoções profissionais, a perda dos pais de ambos.”



Trata-se de uma receita antiga de pão, que ninguém sabe quem inventou mas que vai passando de geração a geração, e neste livro, mudando e aproximando a vida das pessoas.



“Na verdade , parece que ela não tem ninguém. Isso não é necessariamente verdade, no entanto ela se sente assim. E tem sido assim há muito, muito tempo.”


A autora soube muito bem fazer a ligação das histórias sem deixar pontas soltas, nem nós leitores perdidos em meio a tantos personagens, a cada pessoa que é passada a receita do pão da amizade é nos apresentado um momento de sua vida, e como com o feitio da receita suas vidas vão mudando e para melhor.


É um livro que fala de relacionamentos, de humanidades, amor ao próximo, empatia, coisas simples, a amizade é talvez o sentimento mais importante abordado na história. 


O pão da amizade acaba servindo como uma terapia na vida dessas pessoas, cada uma com seus problemas individuais e particularidades e nos é contado de maneira tocante e muito especial, não tem como não nos identificarmos, em algum momento em nossas vidas, tivemos dramas até parecidos.


“Você nunca consegue se recuperar por ter perdido alguém que ama, mas pode encontrar um meio de deixar que isso faça parte de sua vida em vez de deixar que se apodere de parte de você. Ainda assim, não há um tempo programado, nenhuma mágica.”


Outra coisa, dá uma fome ler este livro, é tanta receita de bolos, pães, cafés e chás que dá água na boca, no final do livro tem as receitas dos pães, para nosso alívio, ainda não fiz mas já estou providenciando isso, estou louca para compartilhar com minhas amigas o tal Pão da Amizade.




Espero que tenham gostado;

Até a próxima,




Manoel de Barros - 19/12/1916 - 13/11/2014

em 17 de novembro de 2014






Este ano de 2014 não está sendo muito agradável para a cultura em geral, mais um expoente da nossa faleceu no dia 13 de novembro, um dos mais aclamados poetas contemporâneos Manoel de Barros, aos 97 anos e claro, não poderia deixar de contar um pouco de sua história como forma de homenageá-lo.



Manoel Wenceslau Leite de Barros nascido em Cuiabá, em 19 de dezembro de 1916, advogado e poeta, pertencia  cronologicamente à Geração de 45, mais formalmente ao pós- Modernismo brasileiro, se situando mais próximo das vanguardas européias do início do século e da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswald de Andrade. Recebeu vários prêmios literários, entre eles, dois Prêmios Jabutis. 

É o mais aclamado poeta brasileiro da contemporaneidade nos meios literários. Enquanto ainda escrevia, Carlos Drummond de Andrade recusou o epíteto de maior poeta vivo do Brasil em favor dele.





Manoel de Barros estreou em 1937 com o livro “Poemas Concebidos sem Pecado”. Sua obra mais conhecida é o “Livro sobre Nada”, publicado em 1996. O Pantanal foi tema frequente em seus poemas.

Cronologicamente vinculado à Geração de 45, mas formalmente ao Modernismo brasileiro, Manoel de Barros criou um universo próprio — subvertendo a sintaxe e criando construções que não respeitam as normas da língua padrão —, marcado, sobretudo, por neologismos e sinestesias, sendo, inclusive, comparado a Guimarães Rosa.

Ele fazia parte da Academia Sul - Mato - Grossense de Letras, onde ocupava a cadeira de nº 1.

Em 2008, o cineasta Pedro Cézar lançou o documentário " Só dez por cento é mentira" que traz entrevista com o autor e artistas que inspiraram sua obra, uma de suas poesias intitulada "Noventa por cento do que escrevo é invenção. Só dez por cento é mentira.", daí o título do filme.

Um dos seus mais belos poemas que eu li, é este abaixo (apenas um trecho devido aos direitos autorais):


Prefácio

Assim é que elas foram feitas (todas as coisas) —
sem nome.
Depois é que veio a harpa e a fêmea em pé.
Insetos errados de cor caíam no mar.
A voz se estendeu na direção da boca.
Caranguejos apertavam mangues.
Vendo que havia na terra
Dependimentos demais
E tarefas muitas —
Os homens começaram a roer unhas.
Ficou certo pois não
Que as moscas iriam iluminar
O silêncio das coisas anônimas.
Porém, vendo o Homem
Que as moscas não davam conta de iluminar o
Silêncio das coisas anônimas —
Passaram essa tarefa para os poetas.





Fontes: Folha de São Paulo, Wikipédia e Revista Bula.



Até a próxima,