Dia da Consciência Negra 20/11

em 20 de novembro de 2014



O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil. Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho.






A foto acima tirei quando estive em Salvador - BA em 2012, é o monumento em homenagem ao Zumbi dos Palmares.


Devido a este dia especial, indicarei alguns bons livros que nos fazem refletir sobre a questão racial, mais precisamente a afrodescendente que é a que refere a esta data.





Menina Bonita do Laço de Fita


´Menina Bonita do Laço de Fita´ traz uma linda história, onde um coelho branquinho queria casar-se e ter uma filha ´bem pretinha´. Durante a obra, o coelho tenta descobrir o segredo para conquistar o seu tão sonhado desejo. Leia o livro e acompanhe a busca do coelhinho!


Este é um livro que trabalho nesta época do ano com meus alunos mais novos e sempre faz sucesso, eles adoram, recomendo muito pela delicadeza que trata o tema e ternura que nos remete, é realmente uma graça.



João Cândido, o Almirante Negro



Em 22 de novembro de 1910, tiros de canhões sacudiram a cidade do Rio de Janeiro. Estilhaços de vidraças espatifaram-se no chão. Habitués da Avenida Central correram apavorados em direções diferentes. Um automóvel desgovernado subiu na calçada. Ouviu-se ruído de ferro contra ferro. Era o início da "Revolta da Chibata", extraordinário acontecimento político e social que agora, cem anos depois, Alcy Cheuiche narra em João Cândido, o almirante negro. O personagem que dá nome ao livro foi o líder deste movimento, um marinheiro negro que nasceu filho de escravos, em 1880, e morreu como pária, em 1969, no auge da repressão da ditadura militar. Aqui, Alcy Cheuiche dedica sua obra a todos que ajudaram a tirar o Almirante Negro da sua última masmorra, o esquecimento.


"À presença de fatos como este, só o que sinto no mais íntimo da minha alma é a miséria da linguagem humana, esgotada, gasta, já sem serventia para servir de látego sobre a cabeça de criminosos desta categoria e desta monstruosidade." Escreveu Rui Barbosa sobre o assassinato de marinheiros, prostitutas, marginais e trabalhadores após a "Revolta da Chibata".







João de Camargo de Sorocaba e o Nascimento de uma Religião


Este livro, de autoria de Carlos de Campos e Adolfo Frioli, ocupa-se de dar resposta a essa questão e vai além, mostrando aspectos da história de uma importante cidade paulista, riquíssima de tradições e exemplos.


Um livro raro e dificílimo de achar, encontrei no site da Livraria da Folha, conta a história de João de Camargo, daqui da minha cidade, nascido escravo, após a Lei Áurea foi liberto e teve uma visão, e passou a dedicar-se completamente em sua missão com a fundação de uma nova igreja usando de sincretismo religioso, que batizou de Igreja do Bom Jesus do Bonfim das Águas Vermelhas, que ainda existe no mesmo lugar, recebendo visitantes do mundo inteiro. 


O filme Cafundó, do ator\diretor Paulo Betti, também daqui de Sorocaba, é baseado em sua história.





Xica da Silva






A história da escrava alforriada Xica da Silva foi transformada em romance leve e divertido, graças ao escritor João Felício dos Santos, especializado em história brasileira e sobrinho do renomado historiador Joaquim Felício dos Santos. O livro "Xica da Silva" traz em detalhes a história de uma escrava que se tornou "rainha".


Sobre a vida da mulata Xica da Silva, temos também a novela da extinta TV Manchete que foi reprisada pelo SBT e o filme, de Cacá Diegues.




A Cor Púrpura


Publicado com sucesso nos Estados Unidos, o romance A cor púrpura tornou-se conhecido, principalmente, após a adaptação para o cinema por Steven Spielberg, num filme estrelado por Whoopi Goldberg (Celie) e Oprah Winfrey (Sofia). A personagem principal, Celie, negra, semianalfabeta, vivendo no Sul dos Estados Unidos, vive entre cuidar da família e planejar uma vida diferente da sua para a irmã, Nettie. Acompanhamos sua vida por mais de trinta anos, por meio das cartas que escreve para Deus e, posteriormente, para a irmã. Em oposição à solidão, pobreza, brutalidade e violência, Celie vai descobrir outras maneiras de sentir.


Eu somente assisti ao filme, que é maravilhoso e trouxe Steven Spielberg para o hall dos grandes cineastas na época, tenho muita curiosidade com este livro que está entre os meus desejados.






Amistad



O premiadíssimo diretor, Steven Spielberg, dirigiu este filme. A obra é uma belíssima história sobre Cinque, o líder de um motim em um navio negreiro espanhol, e de John Quincy Adams, ex presidente americano, que lidera o pedido de justiça e defesa de Cinque frente à Corte Suprema.


Este é mais uma história em que assisti ao belíssimo filme, novamente do aclamado Spielberg, e não li ainda o livro, também está entre os meus desejados.





Preciosa



A adolescente do Harlem Clareece Precious Jones é obesa, analfabeta e está grávida pela segunda vez de seu pai. Vítima de constantes abusos físicos e psicológicos por parte da mãe. Seu encontro com uma professora batalhadora a apresentará a um mundo novo, onde poderá expressar seus sentimentos e recuperar sua voz e dignidade.


A adaptação para o cinema é ótima, realista e chocante, infelizmente existem ainda muitas meninas como ela, e é sempre bom relembrar para mudarmos nossas atitudes perante as injustiças sociais, que tantas vezes fingimos que não podemos fazer nada, e sim, podemos.





Doze Anos de Escravidão


Doze anos de Escravidão narra a história real de Solomon Northup, negro americano nascido livre que, por conta de uma proposta de emprego, abandona a segurança do Norte e acaba sendo sequestrado e vendido como escravo. Durante os doze anos que se seguiram ele foi submetido a trabalhos forçados em diversas fazendas na Louisiana.

Este relato autobiográfico, publicado depois da libertação de Northup, em 1853, logo se tornou um best-seller, e hoje é reconhecido como a melhor narrativa sobre um dos períodos mais nebulosos da história dos Estados Unidos. Verdadeiro elogio à liberdade, esta obra apresenta o olhar raro de um homem que viveu na pele os horrores da escravidão.

Deste livro também temos a adaptação para o cinema, que inclusive ganhou 3 Oscar, 2 Bafta e o Globo de Ouro de Melhor Filme.





Machado de Assis


Pra finalizar, temos as obras do nosso grande escritor Machado de Assis, neto de escravos por parte de seu pai, e sua mãe era portuguesa. Seus contos, "A missa do galo" e "A cartomante" são seus mais famosos, mas são tantos que é difícil enumerá-los. "O Caso da Vara" e "O pai contra mãe" demonstram claramente suas visões abolicionistas.

Segue trecho de O caso da Vara:


(...) Uma destas, estúrdia, obrigada a trejeitos, fez rir a uma das crias de Sinhá Rita, que esquecera o trabalho, para mirar e escutar o moço. Sinhá Rita pegou de uma vara que estava ao pé da marquesa, e ameaçou-a:— Lucrécia, olha a vara! A pequena abaixou a cabeça, aparando o golpe, mas o golpe não veio. Era uma advertência; se à noitinha a tarefa não estivesse pronta, Lucrécia receberia o castigo do costume. (...).

E em Pai contra Mãe :

“só três buracos, dois para ver, um para respirar, e era fechada atrás da cabeça por um cadeado”.


O que Machado de Assis fez em suas obras é mostrar uma sociedade falsa que tanto prega a igualdade, a igualdade entre todos, porém, o que define como um cidadão brasileiro é a sua condição financeira, realizando a inclusão ou exclusão da mesma, tentando ocultar o sistema colonial e escravista presente na sociedade brasileira no século XIX e ainda persiste no século XXI com a falsa democracia racial. São séculos diferentes, mas atitudes ,ações e preconceitos ainda continuam.


Fontes: Wikipédia, ABL, Jornal Cruzeiro do Sul e artigos online.


Espero que tenham gostado das dicas, acredito que é sempre bom refletirmos do motivo que originam as datas comemorativas para além da história em torno delas, nos tornarmos pessoas melhores.



Até a próxima,




13 comentários

  1. Belo post... deveria existir mais posts como este esclarecendo a causa dos feriados
    :a parabénsss bjokas normes
    e me deu curiosidade em alguns livrinhos

    ResponderExcluir
  2. Também acho muito importante essa reflexão não só do dia em si, mas de sua origem.
    Não conhecia a maioria das obras citadas no post. 12 anos de escravidão, porém, eu vi a adorei. É um ótimo filme. E Preciosa é um que eu gostaria muito de ver.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. É inconcebível que nos dias atuais as pessoas ainda sejam discriminadas por sua cor, orientação sexual e a lista é infinita. Conscientização é todos os dias, um exercício de repetição, respeito.
    "A cor Púrpura" é lindo e, apesar dos quase 30 anos do lançamento, é um filme atual, com as mesmas questões.

    ResponderExcluir
  4. Amistad e A Cor púrpura são excelentes histórias, lembro que esta última me arrancou muitas lágrimas, falta eu conferir Doze anos de escravidão. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  5. Oie Fer
    Sou louca para ler Doze anos de escravidão e Preciosa.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  6. Acho super importante este dia, mas acho que deveria ser tratado sempre e não somente em um dia, pois é inaceitavel que ainda hoje pessoas sejam discriminadas pela cor,
    beijos.

    ResponderExcluir
  7. Simplesmente adorei o mpost!
    Vc foi a unica que vi de blog literario fazer algo tão importante nesta
    data tão importante :d

    ResponderExcluir
  8. Oi Nanda..
    Menina bonita do laço de fita com certeza é um livro famoso.
    Queria ler 12 anos de escravidão.
    Fiz um post homenageando também.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi! Achei interessante essa proposta de apresentar livros que se referem a afrodescendência. Queremos um país sem preconceito. Achei fofo o livro Menina boita do laço de fita, as crianças devem amar lê-lo, a capa é linda por si.
    Machado de Assis um escritor que sempre permanecerá em nossas memórias, suas obras é a riqueza da nossa terra.

    ResponderExcluir
  10. Ótimo post! Acho que só o seu blog [que eu vi] que fez menção ao dia da Consciência Negra e de livros que tem como base personagens afrodescendentes. Estou louca para ler 12 anos de escravidão e também assistir ao filme, já que não tive oportunidade ainda ):

    ResponderExcluir
  11. Um ótimo post, e com boas opções de leituras.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  12. "Lá fora" essa consciência parece ser mais esclarecida.
    Ótimo post, parabéns. Vi poucas publicações sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  13. Meu filho estudou sobre o livro " A menina bonita do laço de fita" na escola ele gostou muito, e Quanto aos livros Preciosa e a Cor Púrpura eu vi os filmes, são muito bons

    ResponderExcluir

Ola!
Agradeço pelo comentário!
Beijinhos Carinhosos!